SEJA ÉTICO

SEJA ÉTICO: Todos os direitos reservados. É permitida a reprodução do conteúdo deste blog com a devida citação de sua fonte.

sábado, 28 de fevereiro de 2015

Sem manipulação na reportagem esportiva

Muitos dos repórteres que cobrem os clubes de futebol, os chamados setoristas, alteram as perguntas que fizeram antes aos jogadores, depois quando vão ao ar. Uma prática tão comum, quanto condenável nos programas sobre futebol no rádio carioca. No momento em que entrevistam o jogador, a pergunta é feita de um jeito, com cuidado na escolha das palavras, e, até, na entonação - o mais amistosa e respeitosa possível. Quando o programa vai ao ar, ao vivo, o repórter, já sabendo qual a resposta (gravada), não coloca sua pergunta original. Ele refaz, ao vivo, a pergunta, de forma diferente, mais incisica, e o tom de voz muitas vezes é jocoso. Alguns desavisados que ouvem, devem ficar com a sensação de que o repórter é corajoso para falar de forma tão direta com o entrevistado, sem dar voltas, indo "direto" ao assunto. Claro, as respostas são gravadas. Eu não gosto dessa prática, por mais que os que a usam aleguem não estar alterando o sentido da resposta. Não importa, estão alterando a pergunta e a sua entonação. E sem a autorização dos entrevistados, e sem avisar aos ouvintes que a entrevista é gravada. Errado!  Um exemplo que eu recrio, apenas para ilustrar:
Pergunta original:
- Você acha que o Flamengo tem que jogar com mais cuidado na defesa, no jogo de hoje?
Resposta:
- O Vasco é um grande time, e temos que respeitá-lo. Os seus atacantes são muito perigosos, não dá para descuidar da defesa.
Pergunta refeita, ao vivo:
- E aí, vocês vão partir pra cima do Vasco, ou estão com medo? fr

sexta-feira, 27 de fevereiro de 2015

Use sacolas reutilizáveis ao invés de sacolas plásticas


No Brasil, é sempre assim: a legislação existe, mas não é respeitada. Fala-se muito em sustentabilidade, ou seja, na utilização racional dos recursos naturais, a fim de preservá-los para o futuro. Mas poucos são os que a levam a sério a ponto de mudar a sua postura diante do assunto. Um exemplo é a utilização das sacolas plásticas pelos supermercados e lojas em geral. Há no Rio de Janeiro legislação, mas a maioria dos estabelecimentos não a respeita, inclusive empresas multinacionais, que, em seus países, ao contrário, tomam medidas bem diferentes. Na foto, a placa do supermercado Carrefour no Norte Shopping faz menção à Lei de 2009, regulamentada em 2010. Mas, a realidade é outra. Os próprios funcionários dos caixas não se preocupam em oferecer as sacolas em grande quantidade aos clientes, é uma distribuição aos montes. Consequentemente, os clientes usam as sacolas sem nenhuma preocupação, afinal são de graça e estão lhes dando à vontade (na verdade, o custo das sacolas já está embutido nos preços dos produtos, é claro!). E pode-se ler na placa também que o consumidor que abrir mão de levar as sacolas do estabelecimento tem direito a um desconto de, no mínimo, TRÊS CENTAVOS a cada cinco itens comprados. É até uma vergonha o Carrefour colocar essa placa em local visível, provavelmente porque é obrigado a isso. Deixa claro que as lojas até hoje, cerca de cinco anos depois da regulamentação da Lei, ainda não aumentaram esse valor, apesar de estarem autorizadas a isso, já que o Decreto deixa claro que o valor é "no mínimo" de três centavos. O Carrefour, assim como os outros estabelecimentos, não oferece o desconto de maneira imediata, mas apenas se o cliente pedir. Mas, mesmo que o cliente peça, vai receber apenas os mesmos TRÊS CENTAVOS por cinco itens. Então, qual o consumidor que vai pedir o desconto por tão pouco? É vergonhosa a postura mercantilista dos empresários no Brasil, preocupando-se sempre com os seus lucros, e deixando o planeta em segundo plano, ao contrário das propagandas que eles pagam para inserir na mídia. O poder público, por sua vez, também não faz nada para que a legislação seja mais eficaz. O resultado é muita hipocrisia por parte do comércio, inércia parte de quem deveria legislar em defesa dos consumidores, e acomodação por parte dos consumidores. Em muitos países, as sacolas plásticas são cobradas, ou estimula-se o uso de sacolas reutilizáveis. No Brasil, é essa vergonha! fr

quinta-feira, 26 de fevereiro de 2015

O Mundo segundo os brasileiros

"O Mundo Segundo os Brasileiros" é uma ótima alternativa na programação da TV aberta. E um dos poucos programas que me faz sintonizar na TV Bandeirantes, uma emissora que há muito tempo abdicou de lutar pela liderança de audiência. A emissora é muito paulista, mesmo na programação em rede nacional, além de alugar parte de sua grade para programas de vendas e igrejas evangélicas. "O Mundo Segundo os Brasileiros" mostra uma cidade estrangeira, apresentada por brasileiros que nela residem. Exemplos: Amsterdã, Londres, Berlim, Moscou, Nova Iorque, Tóquio, Toronto, Budapeste, Lisboa, Porto, Beirute, Dublin, Barcelona, Andaluzia, Angola, Cidade do México, Buenos Aires, Israel e Paris, entre outros tantos lugares. São mostrados pontos turísticos, o trânsito, o custo de vista e outras particularidades locais. O programa não tem um apresentador. São brasileiros que foram estudar ou trabalhar fora do Brasil que nos conduzem por várias cidades do mundo. Muito interessante! TV Bandeirantes, terças-feiras, 22h15. fr

quarta-feira, 25 de fevereiro de 2015

Peixe de 127 quilos espanta pelo tamanho

Parece mais um filhote de baleia... A matéria informa que o peixe foi devolvido ao rio, mas deve ter sofrido muito fora d'água até isso acontecer. Ainda teve que esperar ter sido pesado e fotografado. Fantástico! fr

segunda-feira, 23 de fevereiro de 2015

Punições rigorosas para inibir a violência no futebol

Muito se discute há anos a respeito da violência no esporte, principalmente no futebol. Mas, como eu sempre me posicionei, volto a deixar clara a minha opinião: a violência no futebol não acaba por conta da impunidade. Mais um exemplo é a recente invasão de mais de 100 bandidos de uma torcida organizada do Flamengo ao vestiário do Macaé, ocorrida poucos minutos antes do jogo de estreia destes clubes no Campeonato estadual, no dia 31 de janeiro. À época, os dirigentes do Macaé denunciaram o roubo de material esportivo e a agressão ao goleiro Ricardo Berna, atingido por socos. O TJD (Tribunal de Justiça Desportiva) divulgou sexta-feira passada a punição para os dois clubes. Ambos foram punidos com a perda de um mando de campo e multa de 10 mil reais. O Flamengo por terem sido os seus "torcedores" os responsáveis pela invasão e a agressão; e o Macaé por ser o mandante do jogo, portanto, o responsável pela segurança interna. Segundo a imprensa, a procuradoria do TJD entrará com recurso para aumentar a pena. Mas, em minha opinião, o pior de tudo é o fato de já ter se passado quase um mês e os bandidos que invadiram o vestiário do Macaé para roubar e agredir não terem sido identificados e presos. Estão soltos, roubando e agredindo mais pessoas. Apesar de haver imagens mostrando vários desses bandidos. É justamente esta impunidade que estimula esses e outros bandidos a brigarem, roubarem, e a agredir covardemente. Nada acontece, e quando alguns são presos, logo são soltos. Não importa se foi em um jogo de futebol. Não se justifica a paixão despertada pelo futebol. São criminosos, e devem ser sempre tratados como tal. No dia em que esses bandidos passarem a ser tratados com rigor, sendo presos, identificados e condenados à cadeia, sem condescendência, esses acontecimentos que envergonham o esporte e os brasileiros de bem, vão acabar!  fr

domingo, 22 de fevereiro de 2015

Dica de livro: "Os Meninos da Rua Paulo"

"Os Meninos da Rua Paulo", Ferenc Molnár, tradução de Paulo Rónai, Cosac Naify, 2005, 264 p.
Um clássico da literatura mundial, lançado em 1907, do escritor húngaro Ferenc Molnárque, que eu já tinha lido quando criança, e reli recentemente. É um livro para todas as idades, mas uma ótima sugestão para despertar o gosto pela leitura dos mais novos, que, com certeza, vão se emocionar com a estória. Meninos de duas ruas de Budapeste, na Hungria, disputam um terreno baldio, onde brincavam, com organização e disciplina militar. O livro aborda questões como amizade, honra, respeito e renúncia; e já foi adaptado para o teatro e o cinema. Eu indico.  fr

sábado, 21 de fevereiro de 2015

Mineiro dando notícia ruim...

☺☺☺☺☺☺☺☺☺☺☺☺☺☺☺☺☺☺☺☺☺☺☺☺

MINEIRO DANDO NOTÍCIA RUIM

Madrugada... o telefone toca:
- Alô, Sinhô Carlos? Aqui é o Uóshito, casêro do sítio.
- Pois não, Seu Washington. Que posso fazer pelo senhor? Houve algum problema?
- Ah, eu só tô ligano pra avisá pro sinhô que o seu papagai morreu.
- Meu papagaio? Morreu? Aquele que ganhou o concurso?
- É, ele mêmo.
- Puxa! Que desgraça! Gastei uma fortuna com aquele bicho! Mas... ele morreu de quê?
- Di cumê carne estragada.
- Carne estragada? Quem fez essa maldade? Quem deu carne para ele?
- Ninguém. Ele cumeu a dum dos cavalo morto.
- Cavalo morto? Que cavalo morto, seu Washington?
- Aqueles puro-sangue que o sinhô tinha! Eles morrero de tanto puxá carroça d'água!
- Tá louco? Que carroça d'água?
- Pra apagá o incêndio!
- Mas que incêndio, meu Deus?
- Na sua casa.... uma vela caiu, aí pegô fogo nas curtina!
- Ai, meu cacete, mas aí tem luz elétrica! Que vela era essa?
- Do velório!
- VELÓÓRIO?!!! De quem?
- Da sua mãe! Ela apareceu aqui sem avisá e eu dei um tiro nela pensando que fosse ladrão!
 kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
☺☺☺☺☺☺☺☺☺☺☺☺☺☺☺☺☺☺☺☺☺☺☺☺

quinta-feira, 19 de fevereiro de 2015

Frases: Gabriel García Márquez

"Não passes o tempo com alguém que não esteja disposto a passá-lo contigo."
GABRIEL GARCÍA MÁRQUEZ

terça-feira, 17 de fevereiro de 2015

Dica de filme: "O Atentado"

O ATENTADO ("L'attentat")
Co-produção França, Líbano, Bélgica, Qatar; 2012, Drama
Direção: Ziad Doueiri
Com: Ali Suliman, Dvir Benedek, Evgenia Dodina
Médico palestino trabalha em hospital de Tel Aviv, Israel, onde é bem visto e respeitado. No mesmo dia em que recebe importante premiação, ocorre um atentado suicida, com a morte de 19 pessoas, entre elas várias crianças. Ele é avisado que entre os mortos estava a sua esposa, também palestina. E o pior, que ela fora a mulher-bomba causadora do ato terrorista. A partir daí passa a enfrentar a desconfiança das pessoas. A fim de compreender o que ocorreu, viaja à cidade onde morava com sua família na Palestina, e procura os responsáveis pelo planejamento do atentado. Baseado no livro homônimo de Yasmina Khadra.  fr

segunda-feira, 16 de fevereiro de 2015

Teatro de Mistério da Rádio Nacional

Lembro que ainda bem criança ia dormir com um rádio a pilhas pequeno debaixo do travesseiro, ouvindo o "Teatro de Mistério", da Rádio Nacional. Eu tinha uns nove anos, e ficava encantado, muito atento, acompanhando o desenvolvimento das estórias. Pesquisando na internet, descobri algumas informações a respeito das quais, claro, quando criança não tinha conhecimento. Era um programa do chamado rádio-teatro, dos anos 1970, com as aventuras policiais do inspetor Marques, que depois teve o seu nome alterado para Santos, por conta da mudança do ator que o interpretava. Os episódios tinham uma duração em torno de 50 minutos, além dos intervalos, e uma introdução, lida pelo narrador: "Quanto mais negamos um crime, mais a consciência nos obriga a pensar nele". A música ao fundo ajudava a aumentar o clima de suspense. O autor era o português Hélio do Soveral, que veio para o Brasil muito jovem, e, além de radialista e roteirista de rádio e TV, escreveu livros infanto-juvenis, atrás de pseudônimos. Foram escritos 316 episódios do "Teatro de Mistério", que eram transmitidos aos sábados às 21:05, e reprisados às segundas, no mesmo horário. Os inspetores do programa foram  interpretados pelos atores Rodolfo Mayer e Domício Costa. Hoje, ouvi através do youtube o episódio "Retrato de Um Fantasma". Muito legal relembrar!  fr

domingo, 15 de fevereiro de 2015

Sede da Petrobras, Rio de Janeiro



A Petrobras, maior empresa brasileira, tem sede no Rio de Janeiro, onde estão as maiores reservas de petróleo do Brasil. Mais especificamente na Av. República do Chile, no Centro, próximo à Catedral São Sebastião. Inaugurado em 1974, o prédio tem 26 andares.  fr

sábado, 14 de fevereiro de 2015

A estupidez humana não tem fim...


Pagamos muitos impostos, mas não vemos o retorno correspondente


Um absurdo o percentual que nos é cobrado de impostos!! Em uma compra de R$ 95,54, sou obrigado a pagar mais R$ 25,83 de impostos estaduais, ou seja, um quarto do que paguei, ou, mais especificamente: 27,04%. E o pior, não nos informam para onde vai esse dinheiro exatamente, no que ele é supostamente aplicado, nem se ele é aplicado como deveria. Pagamos, mas não sabemos em que o dinheiro está sendo aplicado. Mas sabemos que o Brasil é um dos países onde mais se cobram impostos, se não for o líder. Não vemos é o resultado prático de tantos impostos. Vergonha! fr

sexta-feira, 13 de fevereiro de 2015

Uma cidade linda, mas cheia de buracos

A cidade do Rio de Janeiro é linda, mas sofre pelo descaso das autoridades e de muitos dos seus habitantes. Um dos problemas são os inúmeros buracos pelas ruas. Este eu fotografei em Copacabana, ontem, na Avenida Nossa Senhora de Copacabana, em frente ao McDonald's. Alguém ainda colocou uma placa alertando para o buraco a fim de evitar que pessoas, principalmente os mais idosos, se machuquem. É isso. As autoridades não resolvem os problemas mais simples da cidade, então os cidadãos são obrigados a se mobilizar para tentar impedir um mal maior. Uma vergonha! fr

quinta-feira, 12 de fevereiro de 2015

Rio, 41 graus...

Hoje fez um calor muito forte. Céu azul, sem nuvens; ar muito quente e sem vento, nem mesmo uma brisa para refrescar. A sensação térmica, portanto, muito superior aos 41 graus marcados neste relógio por onde eu passei à tarde, no Centro do Rio de Janeiro. Assim fica mais difícil...  fr

Os chineses estão entre nós

Os chineses estão se espalhando pelo mundo. Anteontem, andando pelo Centro, chamou-me a atenção avisos afixados nos vidros de uma loja vazia, situada nas esquinas das Ruas da Constituição e Luis de Camões. Os avisos estão em CHINÊS. Que coisa!  fr

segunda-feira, 9 de fevereiro de 2015

A riqueza do Brasil não beneficia o povo

A Grécia, um país pequeno e em crise, anuncia o aumento do salário mínimo para 751 EUROS! Ou seja, R$ 2.366,03. E o Brasil, que se gaba de ser uma das 7 ou 8 maiores economias do mundo, o salário mínimo foi este ano para R$ 788,00. UMA VERGONHA!  fr

sábado, 7 de fevereiro de 2015

Botafogo goleia na reabertura do Estádio Nilton Santos

O Botafogo goleou por 4x0 o Bonsucesso hoje na reabertura do Estádio Olímpico João Havelange. O estádio, que recentemente passou a ser chamado, de forma informal, de Nilton Santos, em uma homenagem do Botafogo ao lateral esquerdo, havia sido interditado pelo prefeito Eduardo Paes no dia 26 de março de 2013. Ou seja, quase dois anos para recuperar o estádio! E mesmo assim, somente o anel inferior está liberado, o superior ainda permanece em obras. À época, o consórcio formado pelas empresas Odebrecht e OAS apontou falhas na cobertura do estádio, que representariam uma ameaça à segurança dos frequentadores, principalmente em dias de fortes ventos. Um duplo absurdo, se lembrarmos que o estádio havia sido inaugurado em 30 de junho de 2007 (na vitória do Botafogo sobre o Fluminense por 2x1), ou seja, há apenas cinco anos. Um estádio novo ser interditado por falta de segurança, e ficar praticamente dois anos fechado. Até hoje, não se fala em apuração de responsabilidades. Seja como for, na vitória de hoje, os gols foram marcados por Diego Jardel, Bill, Fernandes e Thiago Carleto. Na quarta-feira, o Botafogo foi prejudicado pela arbitragem no empate por 2x2 com o Volta Redonda, no estádio Raulino de Oliveira. Dois gols foram erradamente invalidados. O árbitro Rodrigo Nunes de Sá e seus dois auxiliares foram afastados por tempo indeterminado pela FERJ (Federação de Futebol do Estado do Rio de Janeiro) por conta dos erros, que interferiram no resultado do jogo. Com a vitória de hoje, o Botafogo poderia estar na liderança, com três vitórias em três jogos. Dependendo apenas dos resultados dos adversários neste fim de semana. Pelo menos, já temos o (agora) Nilton Santos de volta!  frO material jornalístico produzido pelo Estadão é protegido por lei. Para compartilhar este conteúdo, utilize o link:http://esportes.estadao.com.br/noticias/futebol,na-reabertura-do-engenhao-botafogo-goleia-o-bonsucesso,1631162O material jornalístico produzido pelo Estadão é protegido por lei. Para compartilhar este conteúdo, utilize o link:http://esportes.estadao.com.br/noticias/futebol,na-reabertura-do-engenhao-botafogo-goleia-o-bonsucesso,1631162

Quase 1 bilhão de reais por um quadro de Gauguin

Convertendo pelo valor do real de hoje: R$ 828.943.213,43 (1€ a R$ 3,1483).

sexta-feira, 6 de fevereiro de 2015

Quinta da Boa Vista


A Quinta da Boa Vista, em São Cristóvão, é um ótimo local para passear com a família, fazer piqueniques e brincar com as crianças. O parque tem 600 mil metros quadrados de área, e também é uma excelente opção para aqueles que desejam fazer fotos muitos bonitas. A região fazia parte de um enorme lote de terra doado aos jesuítas em 1565, mas foi deles expropriada por conta da perseguição iniciada pelo Marquês de Pombal em 1759, que os expulsou de Portugal. A área foi, então, dividida e vendida a particulares. A parte onde situa-se a Quinta da Boa Vista foi comprada pelo comerciante de escravos Elias Antonio Lopes. Nela, ele construiu uma residência, mais tarde doada ao príncipe regente quando da vinda da família real portuguesa. Nos anos seguintes veio a ser a residência da família real e das famílias imperiais de D. Pedro I e D. Pedro II; atualmente, é sede do Museu Nacional. Além do Museu, o Zoológico também fica na região da Quinta da Boa Vista, tombada pelo IPHAN (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional) em 1938. O lugar é muito bonito, mas o estado dos gramados não é bom, e os lagos não estão limpos. Eu ainda lembro um pouco de um passeio por lá quando criança, jogando bola, levado pelos meus pais. Com certeza, vale o passeio.  fr


1. Os gramados não estão bem conservados. 2. Templo de Apolo. 3. Pagode Chinês e o Templo de Apolo.
4. Espaços para piqueniques e bater bola com as crianças.

Museu Nacional

Estive dia 29 de janeiro no Museu Nacional, enfim reaberto seis dias antes, com a solução da falta de verba para pagamento do pessoal terceirizado da limpeza. A única vez que eu tinha ido lá foi ainda criança, em um passeio do colégio. Fundado por D. João VI em junho de 1818 com o nome de Museu Real, à época localizado no Campo de Santana. O Museu passou a funcionar no Palácio de São Cristóvao, na região conhecida como Quinta da Boa Vista, a partir de 1892. É a instituição de ciência mais antiga no Brasil, e é administrada pela UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro) desde 1946. É considerado o maior museu em história natural da América Latina, e seu acervo é composto por nove milhões de peças, sendo 10 mil em exposição ao público, distribuídas em dois andares. Em destaque uma coleção de múmias e sarcófagos egípcios, réplicas de esqueletos de dinossauros, e móveis da família real e da família imperial.  Em uma das fotos que fiz (abaixo), pode-se ver o trono de D. João VI. O imponente prédio onde fica atualmente o Museu foi doado ao então príncipe regente pelo comerciante de escravos português Elias Antônio Lopes em 1º de janeiro de 1809. Uma atitude que nada teve de desinteressada, afinal as melhores residências no Rio de Janeiro foram desapropriadas para serem ocupadas pelos membros da comitiva do príncipe, com a vinda da família real para o Brasil. Elias Antônio se antecipou e, com isso, conseguiu muitas vantagens depois. O Paço de São Cristóvão passou a ser a residência da família real, e, depois, da família imperial. D. João VI passou a residir no Paço a partir de 1816, deixando o Paço Real (o Paço Imperial, no Centro da cidade). D. Pedro I e D. Pedro II e suas famílias também residiram no local. Nele nasceram, por exemplo, D. Maria da Glória II, rainha de Portugal de 1834 e 1853; D. Pedro II, o imperador brasileiro; e a Princesa Isabel. Com a proclamação da República, o prédio sediou a primeira Assembleia Constituinte do novo regime, que elaborou a Constituição de 1891. A ressalva que eu faço como visitante é o Museu não disponibilizar guias para acompanharem as pessoas nas visitas, em horários determinados. Pelo que me informaram, há guias somente para idas de estudantes previamente agendados. Seria muito bacana e útil em termos de informações e tornaria o passeio muito mais interessante. Mas conhecer o Museu Nacional é algo que eu recomendo a todos, não apenas aos turistas que vierem ao Rio de Janeiro. Imperdível! fr


quarta-feira, 4 de fevereiro de 2015

Magistrados brigam e juiz aponta arma para desembargador, dentro do Fórum


No Brasil, comércio anuncia em inglês para consumidor brasileiro




Hoje, fui ao shopping Nova América comprar roupas. Acabei não encontrando o que procurava, mas me chamaram a atenção as placas das lojas (fotos acima). Em um país em que a educação pública, infelizmente, é de baixa qualidade, e o número de pessoas que domina um segundo idioma é muito pequeno, os lojistas demonstram uma preferência sem sentido pelo idioma inglês. Anunciam produtos e promoções em inglês, além de batizarem suas lojas com nomes neste idioma. Muitas pessoas não devem nem saber o significado desses estrangeirismos, portanto, é uma bobagem em termos de mensagem ao público consumidor. Será que não se dão conta que o idioma oficial do Brasil ainda é o português? Se nem os países que o têm como língua o respeitam, é evidente que o restante do mundo não vai dar muito valor ao português. Lamentável!  fr