SEJA ÉTICO

SEJA ÉTICO: Todos os direitos reservados. É permitida a reprodução do conteúdo deste blog com a devida citação de sua fonte.

quarta-feira, 29 de maio de 2024

Com time misto, Botafogo apenas empata, fica em segundo no grupo D da Libertadores e deixa de ter vantagem nas oitavas

    O Botafogo precisava vencer o Junior Barranquilla, ontem, na Colômbia, para conseguir terminar em primeiro lugar no grupo D da Libertadores, mas não saiu do empate em 0x0. Mais uma vez, o treinador português Artur Jorge preferiu poupar titulares, escalando um time misto. Não consigo entender para que isso! Se fosse o primeiro colocado, o Botafogo teria a vantagem de disputar o segundo jogo em casa nas oitavas de final, o que seria uma ótima vantagem. Mas o Artur Jorge insiste em poupar jogadores. Ele diz que quer “rodar” todos os jogadores... De que adianta poupar e depois não avançar na próxima fase?
    O sorteio para definir os confrontos das oitavas será realizado na próxima segunda-feira, dia 3 de junho. Serão dois potes, um com os primeiros colocados e outro com os segundos. Devido à forte enchente que atingiu a região Sul do Brasil, os jogos do Grêmio pela quarta e quinta rodadas do grupo C foram adiados, e serão disputados na próxima terça-feira, dia 4, e no sábado, dia 8. O Grêmio jogará hoje, contra o The Strongest, na Bolívia, pela sexta rodada. Apesar desse atraso, a Conmebol realizará o sorteio mesmo assim, independente de quem venha a ser o primeiro e o segundo colocados do grupo C. fr
__

FICHA TÉCNICA
JUNIOR-COL 0 X 0 BOTAFOGO
Local: Estádio Metropolitano Roberto Meléndez, em Barranquilla (Colômbia)
Data: 28 de maio de 2024 (Terça-feira)
Horário: 19h(de Brasília)
Árbitro: Jesús Valenzuela (Venezuela)
Assistentes: Jorge Urrego (Venezuela) e Tulio Moreno (Venezuela)
VAR: Germán Delfino (Argentina)
Cartões amarelos: Herrera, Mena e Fuentes (Junior) e Bastos e Alexander Barboza (Botafogo)
Cartão vermelho: Diego Hernández (Botafogo)
JUNIOR: Santiago Mele, Edwin Herrera, Jermein Peña, Emmanuel Olivera e Gabriel Fuentes; Didier Moreno, Victor Cantillo (Luis González), José Enamorado e Delber Caicedo (Hernández); Homer Martínez e Carlos Bacca (Rodríguez)
Técnico: Arturo Reyes
BOTAFOGO: Gatito Fernández, Damián Suárez (Mateo Ponte), Alexander Barboza, Bastos e Hugo; Gregore, Tchê Tchê (Marlon Freitas), Diego Hernández e Óscar Romero (Luiz Henrique); Yarlen (Fabiano) e Júnior Santos (Tiquinho Soares)
Técnico: Artur Jorge
Fonte: Gazeta Esportiva

sábado, 25 de maio de 2024

Para muitos, a felicidade dos outros incomoda bastante

Era uma vez, uma cobra que perseguia um vagalume, que nada mais fazia do que simplesmente BRILHAR. O vagalume fugia rápido com medo da feroz predadora e a cobra nem pensava em desistir dele. O vagalume fugiu um dia, dois dias, mais outro, e nada da cobra desistir. No terceiro dia, já sem forças, o vagalume parou de fugir e perguntou à cobra:

- Posso fazer três perguntas?

- Pode. Não costumo abrir esse precedente para ninguém, mas já que vou te devorar, pode perguntar.

- Pertenço à tua cadeia alimentar?

- Não.

- Fiz-te alguma coisa?

- Não.

- Então, por que você quer me comer?

- Porque não suporto ver você BRILHAR!

quinta-feira, 23 de maio de 2024

Botafogo derrota o Vitória mais uma vez e está classificado para as oitavas da Copa do Brasil

        O conseguiu a classificação para as oitavas de final da Copa do Brasil ao derrotar, ontem, o Vitória, fora de casa, por 2x1; já havia vencido no jogo de ida, no Estádio Nilton Santos, por 1x0. E vai receber mais 3,4 milhões de reais como premiação.
     O Botafogo estava desfalcado de dez jogadores: Rafael, Marçal, Tiquinho Soares, Matheus Nascimento, Pablo, Jeffinho e Eduardo estão machucados; Raul está impedido de jogar porque já jogou pelo São Luiz-RS na Copa do Brasil deste ano; e Óscar Romero e Diego Hernández estão afastados por indisciplina. O Vitória estava desfalcado de seis jogadores por contusão.
        No jogo de ontem, nos primeiros 30 minutos do primeiro tempo o Vitória partiu para cima do alvinegro, que errou muitos passes, mas conseguiu aguentar a pressão. Nos 15 restantes, o Botafogo passou a também atacar e aos 31 minutos, Luiz Henrique perdeu o que seria um golaço: Damián Suárez cruzou para dentro da área, Tchê Tchê fez um bonito corta-luz e Luiz Henrique deu uma finta em um adversário e ia fazer um gol lindo, mas chutou por cima do travessão. Merecia o gol!
        Aos 46 minutos, Cuiabano chutou da esquerda para a área e Luiz Henrique dessa vez mandou para o fundo das redes do Vitória. A bola mais tocou no Luiz Henrique que ele chutou, mas o importante é que foi gol! Aos 16 minutos do segundo tempo, Junior Santos marcou o segundo. O Vitória descontou aos 32 minutos, com uma falha geral da defesa botafoguense; o Botafogo continua tomando gols por erros infantis.
        Agora, é esperar a conclusão dos demais jogos da terceira fase para a realização do sorteio que definirá o adversário do Fogão. Hoje, serão realizados cinco jogos e restarão apenas outros três que envolvem os clubes do Sul do país, região que foi atingida por uma forte tempestade e enchente. Os jogos do Grêmio (contra o Operário-PR), Ypiranga (contra o Athletico-PR) e de Internacional e Juventude, que devem se enfrentar, estão adiados e ainda sem data marcada. fr
__

FICHA TÉCNICA
VITÓRIA 1 X 2 BOTAFOGO
Local: Estádio Barradão, em Salvador (BA)
Data: 22 de maio de 2024 (Quarta-feira)
Horário: 19h (de Brasília)
Árbitro: Rodrigo Jose Pereira de Lima (Fifa-PE)
Assistentes: Guilherme Dias Camilo (Fifa-MG) e Francisco Chaves Bezerra Junior (PE)
VAR: Rodolpho Toski Marques (Fifa-PR)
Cartões amarelos: Matheuzinho e Daniel Junior (Vitória); John, Cuiabano, Tchê Tchê, Hugo e Lucas Halter (Botafogo)
GOLS
VITÓRIA: Daniel Júnior, aos 32min do segundo tempo
BOTAFOGO: Luiz Henrique, aos 46min do primeiro tempo; Junior Santos, aos 16min do segundo tempo
VITÓRIA: Lucas Arcanjo, Zeca (Léo Naldi), Bruno Uvini, Wagner Leonardo e PK (Lucas Esteves); Dudu, Rodrigo Andrade e Matheuzinho (Daniel Júnior); Luiz Adriano (Osvaldo), Janderson (Alerrandro) e Iury Castilho
Técnico: Thiago Carpini
BOTAFOGO: John, Damián Suárez (Mateo Ponte), Lucas Halter, Bastos e Cuiabano (Hugo); Marlon Freitas, Danilo Barbosa (Gregore) e Tchê Tchê (Patrick de Paula); Jefferson Savarino (Fabiano) e Júnior Santos e Luiz Henrique
Técnico: Artur Jorge

Fonte: BOL.

quarta-feira, 22 de maio de 2024

STF bate o martelo e o Sport é o legítimo campeão brasileiro de 1987 e o chororô do Flamengo continua 😂😂😂

O chororô dos flamenguistas parece que não tem fim! Em 1987, o Flamengo recusou-se a disputar a decisão do título do Campeonato Brasileiro conforme previa o regulamento, que ele próprio, Flamengo, assinou. O campeão e o vice do campeonato nacional (Flamengo e Internacional) deveriam jogar um quadrangular contra o campeão e o vice da Copa União (Sport e Guarani), uma confusão do caramba! Um foi organizado pela CBF e o outro pelo finado Clube dos 13. Enfim, o regulamento era ruim, mas era o regulamento que os clubes assinaram. Os flamenguistas deram uma de criança mimada que pega a bola e vai para casa, achando que iam ser declarados os campeões. Mas se deu mal! A CBF declarou o clube pernambucano como campeão brasileiro de 1987. A taça está na sede do Sport, em Recife (os flamenguistas podem ir lá para ver). E o Sport disputou a Libertadores do ano seguinte. Os flamenguistas, porém, estão chorando até hoje, um chororô que não acaba. O Flamengo entrou na Justiça e perdeu. Não satisfeito, recorreu e o STF (Supremo tribunal Federal), órgão máximo da Justiça brasileira, bateu o martelo na sexta-feira, dia 17: o Sport é o legítimo e único campeão brasileiro de 1987. Agora, só resta aos flamenguistas reclamar com o papa! E, se reclamarem, vão perder também, porque o papa Francisco entende e gosta de futebol. 😂😂😂 fr

terça-feira, 21 de maio de 2024

Portugal diz que não pagará indenizações pelos crimes da colonização. E nem poderia, mas deve ter uma postura de respeito aos brasileiros.


        O ministro das Relações Exteriores de Portugal, Paulo Rangel, afirmou que o país não tem a intenção de pagar indenizações pelos crimes cometidos nas nações que colonizou. A declaração foi dada no dia 15 deste mês, no Parlamento português: “Não haverá um processo ou programa de ações específicas para indenizar outros países pelo passado colonial português. (...) Mas quando for justo pedir desculpas, o faremos, como no caso do massacre de Wiriyamu.” Referia-se a Moçambique, em que 400 civis foram assassinados durante a guerra de independência, em 1972. O presidente português, Marcelo Rebelo de Sousa, havia reconhecido, no dia 23 do mês passado, os crimes cometidos pelo seu país durante o período de colonização, e que “devemos pagar os custos”. Mas não disse como.
      Minha opinião: Eu não sou favorável que o governo brasileiro fique estimulando expectativas de que Portugal vá pagar pelos crimes que cometeu durante a colonização em nosso país. Foram bens e riquezas saqueados; tortura, escravidão e assassinato de indígenas e africanos, entre outros. Como colocar preço em vidas humanas? Como esperar que um país pequeno, que não tem uma indústria forte e vive apenas do setor terciário, principalmente do turismo, possa ter recursos para reparar todas as riquezas que pilhou? E o ouro? Qualquer valor seria baixo demais. Se não podem pagar pelo mal que fizeram, podiam, pelo menos, reconhecer o que fizeram de errado e adotar uma postura mais respeitosa com os brasileiros que viajam a Portugal, seja a turismo ou em busca de trabalho. Seria bastante útil para Brasil e Portugal manterem uma relação amigável e produtiva.
        Não há registros precisos de quanto ouro foi retirado das nossas terras durante a colonização portuguesa, até porque muitos documentos da época foram destruídos durante os séculos e também porque havia muito contrabando. Algumas estimativas defendem que Portugal extraiu, pelo menos, 128 toneladas, mas há quem acredite que foi muito mais e que o total gire em torno de 200 toneladas. Seja como for, foi muito ouro, que daria para fazer de Portugal uma das nações mais poderosas e respeitadas até hoje. Mas a Coroa portuguesa usou grande parte desse tesouro para reconstruir a cidade de Lisboa, destruída pelo terremoto de 1755, e para pagar dívidas com a Inglaterra, que se beneficiou bastante do nosso ouro. Vai ver que é por isso que os ingleses costumam falar que Portugal e Inglaterra são “aliados” históricos, porque eles sempre conseguem muitas vantagens do seu “aliado”, e não é de hoje. Até parece que Portugal teria condições de ressarcir todas as riquezas que tirou daqui.
        Os portugueses costumam alegar que o Brasil “nem existia” como país na época da colonização. É verdade. Mas é verdade também que o Brasil ressente-se até hoje de tudo que foi explorado, para nós restou apenas os custos ambientais e financeiros da colonização. Portugal somente veio a criar a primeira instituição superior do Estado português em território brasileiro, por exemplo, em 1808, e ainda assim devido à transferência da família real para cá, fugindo das tropas francesas de Napoleão. As primeiras universidades brasileiras foram abertas após a independência, já no século 20. A Espanha, por sua vez, abriu universidades em suas colônias desde o século 16.
        Em Portugal, eles procuram eximir-se da violência praticada contra indígenas e africanos, dizendo que “eram outros tempos”. O escritor e jornalista brasileiro Eduardo Bueno, autor de vários livros sobre a colonização no Brasil (leiam os comentários que eu fiz sobre os livros aqui, no meu blog), recentemente contestou essa tentativa de fugir das responsabilidades, em entrevista à imprensa:
        - Se eles dizem que não podemos julgar as pessoas pela mentalidade de hoje, lembro que desde Roma [antiga] havia vozes que se erguiam contra a escravidão. E pessoas dignas, como Bartolomeu de las Casas e Damião de Góis, defendiam que os indígenas tinham alma e não poderiam ser escravizados. Então, Portugal tem que assumir e a extrema direita tem que ser calada.
        Atualmente, tomamos conhecimento constantemente de casos vergonhosos de xenofobia (antipatia e ódio contra estrangeiros) em Portugal contra brasileiros. E é muito comum ouvir esses portugueses ignorantes e cheios de ódio dizerem aos brasileiros “volta para tua terra!” Esses idiotas parecem esquecer que Portugal é um dos países que mais exporta mão de obra no mundo. Milhões de portugueses saíram do país durante o longo período de Salazar, fugindo da ditadura e para não lutar nas guerras pela independência das colônias africanas. Foram para vários países, inclusive para cá, no Brasil. E hoje em dia, outros milhares de portugueses saem em busca de emprego nos Estados Unidos, Canadá, França, Inglaterra, Alemanha e outros países.
        Para os idiotas cheios de ódio funciona o seguinte raciocínio (egoísta e hipócrita): os portugueses podem sair para viver e trabalhar fora, mas os brasileiros e outros estrangeiros não podem fazer o mesmo em Portugal. fr

segunda-feira, 20 de maio de 2024

A bola mais usada nas 'peladas' da infância

Uma de minhas lembranças de criança era a bola Dente de Leite da Estrela, uma bola de borracha. Eu vivia jogando bola, na área do prédio, e na escola (antes das aulas e no intervalo). Muitas vezes eu e os meus colegas improvisávamos uma bola com meia e jornal, o importante era jogar. Era a bola mais barata para se conseguir na época, o ruim era que furava muito facilmente. As bolas melhores eram mais caras e, por isso, menos usadas. 😄😄Hoje em dia, as crianças nem sabem o que é isso, estão ocupadas demais no celular. fr 

domingo, 19 de maio de 2024

Estados do Nordeste têm as cidades mais violentas do Brasil e algumas das cidades mais violentas do mundo

        Muitas pessoas costumam dizer que o Rio de Janeiro é a cidade mais violenta do Brasil. Mentira! Dizem isso por desinformação ou, até mesmo, de forma mal intencionada. Os estados do Nordeste são os mais violentos do Brasil. E onde estão algumas das cidades mais violentas do mundo. E quem afirma isto são estudos realizados por especialistas. Mas eu, como carioca e morador do Rio, não levo isso como consolo, porque o Rio tem, sim, muita violência, apenas não é a cidade mais violenta, isto é preciso ser dito.
        O Ministério da Justiça e Segurança Pública divulgou em janeiro deste ano, que no período de janeiro a outubro do ano passado, a taxa de homicídio doloso (com a intenção de matar) por 100 mil habitantes foi de 23,40 na Região Nordeste, e no Brasil todo foi de 14,33. Os estados do Nordeste tiveram uma média de 45 mortes violentas por dia, quase metade da média de todo o país, que foi de 110 mortes. De acordo com o Ministério, os estados com mais mortes violentas (homicídio doloso, latrocínio, morte por intervenção policial, feminicídio e lesão corporal seguida de morte) são Bahia (5.508), Pernambuco (2.995) e Ceará (2.539).
        Em levantamento realizado em 2023 pela ONG mexicana Conselho Cidadão para a Segurança Pública e a Justiça Penal, DEZ cidades brasileiras estão entre as mais violentas do mundo, NOVE são do Nordeste. A cidade de Mossoró, no Rio Grande do Norte, foi apontada como a cidade brasileira mais violenta e a 11ª mais violenta do mundo. Na relação, seguem Salvador (Bahia), Manaus (Amazonas, na região Norte), Feira de Santana (Bahia), Vitória da Conquista (Bahia), Natal (Rio Grande do Norte), Fortaleza (Ceará), Recife (Pernambuco), Maceió (Alagoas) e Teresina (Piauí). México é o país onde está o maior número de cidades: 17, na lista de 50. Estados Unidos têm sete cidades na lista. Veja a lista completa abaixo. fr

sexta-feira, 17 de maio de 2024

Botafogo vence 3º jogo consecutivo e consegue classificação, por antecipação, às oitavas da Libertadores

O Botafogo venceu, ontem, o Universitario, em Lima, no Peru, por 1x0, e garantiu, com antecedência, a vaga nas oitavas de final da Copa Libertadores. Esta foi uma classificação de recuperação, já que perdeu nas duas primeiras rodadas, mas conseguiu vencer nas três rodadas seguintes. Vendo os melhores momentos, dá para perceber que não foi um bom jogo, com poucas chances reais de gol. O alvinegro reclama de um pênalti não marcado, aos 27 minutos do primeiro tempo, quando o zagueiro Di Benedetto desvia a bola, na risca da pequena área, e, ao cair, toca com a mão na bola. Para mim, foi pênalti! O último jogo desta fase será no dia 28 deste mês, contra o Junior Barranquilla, na Colômbia, também já classificado, e vai decidir quem será o primeiro colocado, já que os dois estão com nove pontos, sendo que o adversário está em primeiro pelo saldo de gols, três contra um. fr
__

FICHA TÉCNICA
UNIVERSITARIO-PER 0 X 1 BOTAFOGO
UNIVERSITARIO - Britos; Corzo, Riveros e Di Benedetto; Andy Polo, Murrugarra (Concha), Ureña (Dorregaray), Pérez Guedes (Calcaterra) e Portocarrero; Edison Flores (Christofer Gonzáles) e Valera (Rivera). Técnico: Fabián Bustos.
BOTAFOGO - John Victor; Damián Suárez, Lucas Halter, Bastos e Hugo; Danilo Barbosa (Gregore), Marlon Freitas e Tchê Tchê (Patrick de Paula); Luiz Henrique (Jeffinho), Savarino (Yarlen) e Júnior Santos. Técnico: Artur Jorge.
GOL - Jeffinho, aos 31 minutos do segundo tempo.
CARTÕES AMARELOS - Di Benedetto e Ureña (Universitario); Danilo Barbosa e Bastos (Botafogo).
ÁRBITRO - Cristián Garay (CHI).
LOCAL - Monumental de Lima, em Lima (PER).
Fonte: GZH Esportes

segunda-feira, 13 de maio de 2024

Com time misto, Botafogo consegue um difícil empate com o Fortaleza

O Botafogo até conseguiu um bom resultado, ontem, ao empatar, fora de casa, com o Fortaleza, por 1x1, pela sexta rodada do Campeonato Brasileiro. Isto porque o treinador português poupou alguns titulares no primeiro tempo; o Fogão vai ter um jogo decisivo na quinta-feira, contra o Universitario, em Lima, no Peru. O Fortaleza dominou no primeiro tempo, sempre tendo a iniciativa do ataque. No segundo, o alvinegro melhorou, com a entrada de titulares. Foi um jogo muito bom de se ver, com os dois times jogando no ataque (o Fortaleza foi melhor no primeiro tempo, e o Botafogo no segundo). O resultado foi justo. O Botafogo está em terceiro lugar, com 10 pontos; a liderança está com o Athletico-PR, com 13 pontos. O Fortaleza está em 11º lugar, com sete pontos, tendo uma vitória e quatro empates em cinco jogos. Os jogos envolvendo Grêmio, Internacional e Juventude não estão sendo realizados desde a quinta rodada, devido à enchente que atingiu as cidades da região Sul. fr
__

FICHA TÉCNICA
FORTALEZA 1X1 BOTAFOGO
Local: Castelão, Fortaleza (CE)
Data: 12/05/2024, domingo
Horário: 16h (de Brasília)
Público: 15.914 torcedores
Árbitro: Wilton Pereira Sampaio (Fifa-GO)
Assistentes: Guilherme Dias Camilo (Fifa-MG) e Leone Carvalho Rocha (GO)
VAR: Rodrigo D Alonso Ferreira (SC)
Cartão amarelo: John, Óscar Romero, Mateo Ponte, Cuiabano, Diego Hernández e Alexander Barboza (Botafogo) e Titi, Hércules, Brítez e Lucero (Fortaleza)
Cartão vermelho:
Gols:
Fortaleza: Pochettino, aos 9' do 1ºT
Botafogo: Danilo Barbosa, aos 40' do 1ºT
FORTALEZA: João Ricardo; Tinga, Kuscevic, Titi e Felipe Jonatan; Matheus Rosseto, Hércules (José Welison) e Pochettino (Machuca); Marinho (Pikachu), Breno Lopes (Moisés) e Renato Kayzer (Lucero). Técnico: Juan Pablo Vojvoda
BOTAFOGO: John; Mateo Ponte (Damian Suárez), Bastos, Alexander Barboza e Cuiabano; Danilo Barbosa (Marlon Freitas), Gregore e Tchê Tchê; Jeffinho (Savarino), Óscar Romero (Diego Hernández) e Luiz Henrique (Júnior Santos). Técnico: Artur Jorge.
Fonte: Gazeta Esportiva.

sábado, 11 de maio de 2024

Irlandeses matavam para vender os corpos para o estudo científico no século 19

        A cidade de Edimburgo, capital da Escócia, foi um dos principais centros de estudos da anatomia humana durante o século 19. À época, os corpos utilizados para o estudo e pesquisa eram os de criminosos condenados à morte, já que não havia muitos cadáveres disponíveis, pelo menos de maneira lícita. Essa carência deu origem a um mercado paralelo e sinistro. Ladrões invadiam cemitérios e roubavam corpos recém enterrados, já que os métodos de conservação eram precários e eles precisavam estar em boas condições, e os vendiam para instituições de ensino. Mesmo quando presos, esses ladrões não podiam ser condenados, pois não existia uma legislação que considerasse como crime o roubo de sepulturas, e os cadáveres não eram considerados propriedade de quem quer que fosse.
        Dois irlandeses quiseram aproveitar-se dessa demanda e passaram a matar pessoas e vender os seus corpos a um médico. A ideia surgiu quando um deles, William Hare, morava em uma pensão, cujo proprietário faleceu. Hare casou-se, depois, com a viúva, Margaret, e passou a administrar o lugar. Em novembro de 1827, o aposentado Donald, um dos hóspedes, morreu, deixando vários meses sem pagar. A fim de se ressarcir do prejuízo, Hare resolveu vender o corpo para a escola de anatomia do doutor Robert Knox, um respeitado médico e professor escocês. Para simular o enterro de Donald, Hare contou com a ajuda do compatriota William Burke e de sua namorada, Helen Mc Douglas, que também residiam na pensão. Convencidos que essa poderia ser uma forma de conseguir uma renda extra, os criminosos resolveram dar continuidade à prática. Mas, ao invés de invadir cemitérios, passaram a atrair para a pensão pessoas carentes ou sem família, como mendigos e prostitutas, e matá-las.
        As vítimas eram embriagadas, Burke as asfixiava e Hare fazia a venda para o doutor Knox. Durante o ano de 1828, os três mataram e venderam os corpos de, pelo menos, 16 pessoas. Com o tempo, o fato de o médico ter sempre cadáveres em quantidade e em bom estado de conservação despertou suspeitas nos seus estudantes, que reconheceram dois dos corpos: um jovem com problemas mentais, Daft Jamie, muito conhecido pelas pessoas, e a prostituta Mary Paterson. Os estudantes levaram ao conhecimento do doutor Robert Knox, que não deu a importância devida, ou preferiu desconsiderar propositalmente a denúncia. Após o sumiço repentino de uma das hóspedes da pensão, a irlandesa Mary Docherty, os outros hóspedes desconfiaram e encontraram o corpo dela debaixo de uma cama, denunciando o caso à polícia. Quando os policiais chegaram na pensão, já não encontraram o cadáver, mas viram várias manchas de sangue no local e, após investigação, chegaram até o doutor Knox. Veja, abaixo, ilustração de William Burke assassinando uma das vítimas, Margery Campbell.
Gravura idealizada de Robert Seymourde mostrando Burke matando Margaret Docherty, também conhecida como Margery Campbell 
        William Hare e a esposa e William Burke e a namorada foram presos em 24 de dezembro de 1828. Em troca da sua liberdade e da sua esposa, Hare fez um acordo com a polícia, passando as informações de todos os assassinatos. Burke acabou por confessar os crimes e foi condenado à execução pública na forca, consumada em 28 de janeiro do ano seguinte, com a presença de uma multidão estimada em 25 mil pessoas, ávidas por assistir ao “espetáculo” (veja ilustração, abaixo). Na sentença, foi determinado que o seu cadáver servisse ao estudo médico, sendo posteriormente dissecado na presença de vários estudantes e curiosos. A maior parte da pele do corpo foi desviada, sendo, depois, vendida e usada até para a confecção de estojos de cartões de visita e livros; um deles está no Museu da Universidade de Edimburgo, junto com o esqueleto de Burke. A sua namorada, Helen, foi absolvida por falta de provas, mas, assim como Margaret, não se sabe o que aconteceu com elas depois.
        William Hare foi para Londres, onde acabou morrendo como indigente. Acusado pela receptação dos cadáveres, o doutor Robert Knox não foi processado porque não teria sido provado que ele tinha conhecimento da procedência dos corpos e como eles eram conseguidos. Ele alegou ter a única motivação utilizá-los para o estudo científico. A sua reputação, no entanto, decaiu significativamente e o seu curso, que chegou a ter 504 estudantes matriculados em 1827 e no ano seguinte, decaiu bastante. Os assassinatos em série para a comercialização dos corpos das vítimas chocaram os britânicos. Com o objetivo de combater o roubo de cadáveres, o parlamento do Reino Unido promulgou, em 1832, o Anatomy Act, autorizando a utilização para o estudo da anatomia dos corpos das pessoas falecidas e não reclamados por familiares ou amigos.
        Fontes: “Episódio macabro no ensino de Anatomia”, professor Joffre M. de Rezende; “William Burke e William Hare: a dupla da Era Vitoriana que matava pessoas e vendia cadáveres”, “Aventuras na História”, Caio Tortamano, 24/7/2020; Wikipédia. fr
Execução de Burke, de uma impressão contemporânea

quinta-feira, 9 de maio de 2024

Botafogo vence LDU, sai do último lugar e já é segundo na Libertadores

O Botafogo venceu, ontem, a LDU, por 2x1, em casa, e saiu da última colocação direto para o segundo lugar do grupo D da fase de grupos da Copa Libertadores. Aos 17 minutos do primeiro tempo, Estrada da LDU marcou, de calcanhar, mas, após 10 MINUTOS, o VAR chegou à conclusão que houve impedimento anterior e o gol foi anulado. Logo na sequência, Luiz Henrique cruzou da direita para a área da LDU, Hugo dominou e chutou, de esquerda, para fazer um golaço. Mas, aos 46 minutos, novamente Estrada marcou e empatou. Aos 23 minutos do segundo tempo, Junior Santos recebeu de Óscar Romero na meia-lua, e colocou no canto direito do gol adversário, fazendo o gol da vitória, e seu nono gol na Libertadores deste ano. Ele é o artilheiro da competição, quatro gols à frente do segundo colocado, Paulinho, do Atlético Mineiro. No grupo D, o Fogão e o Junior Barranquilla chegaram aos seis pontos, mas o clube colombiano tem um saldo de gols maior. Universitario, do Peru, está em terceiro, com cinco pontos, e a LDU caiu para último, com apenas quatro. Faltam apenas dois jogos para definição dos classificados para as oitavas de final. Na quinta-feira que vem, o alvinegro enfrentará o Universitario, em Lima, no Peru, e no dia 28 deste mês o Junior, na Colômbia. fr
___

FICHA TÉCNICA

BOTAFOGO 2 X 1 LDU-EQU
Local: Estádio Nilton Santos, no Rio de Janeiro (RJ)
Data: 8 de maio de 2024 (Quarta-feira)
Horário: 21h30(de Brasília)
Árbitro: Darío Herrera (Argentina)
Assistentes: Facundo Rodríguez (Argentina) e Ezequiel Brailovsky (Argentina)
VAR: Hernán Mastrangelo (Argentina)
Cartões amarelos: Lucas Halter, Luiz Henrique, Diego Hernández e Marlon Freitas (Botafogo); Estrada, Piovi e Dominguez (LDU)
GOLS
BOTAFOGO: Hugo, aos 30min do primeiro tempo; Junior Santos, aos 23min do segundo tempo
LDU: Estrada, aos 46min do primeiro tempo
BOTAFOGO: Jhon, Damián Suárez, Lucas Halter, Bastos e Hugo; Marlon Freitas, Danilo Barbosa (Gregore) e Jefferson Savarino (Tchê Tchê); Luiz Henrique (Diego Hernández), Jeffinho (Romero) e Júnior Santos
Técnico: Artur Jorge
LDU: Alexander Dominguez, Quintero, Ricardo Adé, Facundo Rodríguez e Quiñónez; Villamil (Alzugaray), Piovi, Jhojan Julio (Angulo) e Estrada (Charcopa); Estupiñán (Alvarado) e Alex Arce
Técnico: Josep Alcácer
Fonte: Gazeta Esportiva

quarta-feira, 8 de maio de 2024

"Memórias do Cárcere", 1984

MEMÓRIAS DO CÁRCERE
Brasil, Drama, 1984
Direção: Nelson Pereira dos Santos
Com: Carlos Vereza, Glória Pires, Nildo Parente, Jofre Soares
Filme baseado no livro homônimo do jornalista e escritor alagoano Graciliano Ramos, em que ele registrou suas memórias sobre os meses em que esteve preso, sem processo e acusação formal. O filme tem adaptação, roteiro e direção de Nelson Pereira dos Santos. O filme tem algumas passagens que não estão no livro, que eu li e sobre o qual publiquei ontem, como o capitão Lobo pedindo um autógrafo a Graciliano Ramos na cadeia e o escritor entregando os originais do seu recém-concluído livro a um colega do trabalho.fr

"Memórias do Cárcere" (trecho)

terça-feira, 7 de maio de 2024

"Memórias do Cárcere", Graciliano Ramos


“Memórias do Cárcere”
, Graciliano Ramos; Rio de Janeiro, editora Record, s/ano, v. 1, 378 páginas, e v. 2, 319 páginas (Coleção Mestres da Leitura Contemporânea, volumes 40 e 41).

        Livro em que Graciliano Ramos (1892-1953) recorda o período em que esteve preso de março de 1936 a janeiro de 1937, após a chamada Intentona Comunista, uma tentativa fracassada realizada em novembro de 1935 em Natal, no Recife e no Rio de Janeiro, de derrubar o governo de Getúlio Vargas. O movimento foi organizado pela ANL (Aliança Nacional Libertadora), liderada por Luis Carlos Prestes, com o apoio da Internacional Comunista, estrutura de disseminação do comunismo pelo mundo, com sede em Moscou. A intenção era implantar o comunismo no Brasil, e acabou por dar origem a um período de denúncias e perseguições. Apesar de não ter havido acusação formal ou processo, o escritor foi preso, considerado simpático ao movimento comunista.
        O livro foi escrito a partir de 1946, já no governo de Eurico Gaspar Dutra, mas Graciliano não chegou a concluí-lo, devido a um forte desânimo que sentia e ao enfraquecimento de sua saúde. Foi publicado em setembro de 1953, meses após o seu falecimento, ocorrido em 20 de março, aos 60 anos, devido a um câncer de pulmão. São dois volumes com cerca de 700 páginas. O escritor tinha consciência que não veria o livro publicado: “Estou a descer para a cova, este novelo de casos em muitos pontos vai emaranhar-se, escrevo com lentidão – e provavelmente isto será publicação póstuma, como convém a um livro de memórias.”
        Na obra, Graciliano Ramos conta ter sido preso em 1936, em sua casa, em Maceió, onde morava com a esposa e oito filhos, após ter sido demitido da Instrução Pública de Alagoas devido a pressões sobre o governador daquele estado. Graciliano foi alertado por um ex-colega do trabalho e por uma parenta sobre a iminência de sua prisão, mas preferiu aguardar os acontecimentos, não os questionando, nem procurando quem o pudesse ajudar a entender o que acontecia.
        “Ótimo. Num instante decidi-me. Não me arredaria, esperaria tranquilo que me viessem buscar. Se quisesse andar alguns metros, chegaria à praia, esconder-me-ia por detrás de uma duna, lá ficaria em segurança. Se me resolvesse a tomar o bonde, iria até o fim da linha, saltaria em Bebedouro, passaria o resto do dia a percorrer aqueles lugares que examinei para escrever o antepenúltimo capítulo do romance. Não valia a pena. Expliquei em voz alta que não valia a pena. Entrei na sala de jantar, abri uma garrafa de aguardente, sentei-me à mesa, bebi alguns cálices, a monologar, a dar vazão à raiva que me assaltara. Propriamente não era monólogo: minha mulher replicava com estridência. Escapava-me a significação da réplica, mas a voz aguda me endoidecia, furava-me os ouvidos. Não conheço pior tortura que ouvir gritos. Devia existir uma razão econômica para esse desconchavo: as minhas finanças equilibravam-se com dificuldade, evitávamos reuniões, festas, passeios. De fato as privações não me inquietavam. Minha mulher, porém, sentia-se lesada, o que me fazia perder os estribos. De repente um ciúme insensato. A incongruência me arrancava a palavra dura:
        - Que estupidez!
        Naquele momento a ideia da prisão dava-me quase prazer: via ali um princípio de liberdade. Eximira-me do parecer, do ofício, da estampilha, dos horríveis cumprimentos ao deputado e ao senador; iria escapar a outras maçadas, gotas espessas, amargas, corrosivas. Na verdade suponho que me revelei covarde e egoísta: várias crianças exigiam sustento, a minha obrigação era permanecer junto a elas, arranjar-lhes por qualquer meio o indispensável. Desculpava-me afirmando que isto se havia tornado impossível. Que diabo ia fazer, perseguido, a rolar de um canto para outro, em sustos, mudando o nome, a barba longa, a reduzir-me, a endividar-me?”
        Graciliano Ramos aceitou a prisão também porque desejava saber qual acusação existia contra ele, e por acreditar que o período de reclusão daria a ele a oportunidade de ter a tranquilidade que precisava para revisar o seu livro recém-terminado. Deixou o livro “Angústia” pronto quando foi preso, que ele, exigente com a correção do texto, pretendia ainda revisá-lo, mas que acabou sendo publicado pela Editora José Olympio quando Graciliano estava na cadeia. Com certeza, ele não gostaria de ver em seu livro a utilização da palavra “porque” em perguntas, o que eu vi várias vezes: “Porque não?” ao invés do correto “Por que não?”.
        Em um misto de orgulho e muita desinformação sobre o que acontecia no país, Graciliano Ramos tinha a ilusão de não se demorar preso: “Julgava é que não me deteriam nem uma semana. Dois ou três dias depois me mandariam embora, dando-me explicações. Um engano.” O escritor relembrou o dia em que foi preso, por um tenente que, um mês antes, havia lhe pedido que a reprovação de sua sobrinha fosse revista, o que ele negou.
        “Afinal, cerca de sete horas, um automóvel deslizou na areia, deteve-se à porta – e um oficial do exército, espigado, escuro, cafuz ou mulato, entrou na sala.
        - Que demora, tenente! Desde o meio-dia estou à sua espera.
        - Não é possível, objetou o rapaz empertigando-se.
        - Como não? Está aqui a valise pronta, não falta nada.
        (...)
        - Vai apenas essa maleta? Aqui entre nós posso dizer: acho bom levar mais roupa. É um conselho.”
        De Maceió, Graciliano Ramos foi transferido para Recife e, mais tarde, para o Rio de Janeiro e Ilha Grande, tendo convivido com presos políticos; militares que participaram da Intentona Comunista; magistrados; e presos comuns, como ladrões e assassinos. Havia um permanente medo do que se falava e com quem se falava devido à suspeita de delatores e espiões. Permanente desconfiança. E medo de furtos. As roupas eram vestidas pelo avesso e os objetos vigiados permanentemente.
        No livro, o autor relata as péssimas condições das cadeias onde ficou; a pouca e péssima comida; as doenças; as negociações realizadas entre os presos, com venda de camas, por exemplo; as brigas; a corrupção e os abusos militares. Graciliano pouco conseguia comer, tendo emagrecido bastante; fumava muito e envelheceu durante os dias de prisão:
        “- Que idade tem o senhor? Perguntou-me alguém.
        Veio-me o desejo de conhecer o meu aspecto:
        - Calcule.
        - Sessenta e cinco anos, disse o interlocutor sem vacilar.
        - Por aí, pouco mais ou menos, concordei num abatimento profundo.
        Sessenta e cinco anos. Andava em quarenta e três, quarenta e três e meses. Atribuíam-me sessenta e cinco.”
        No último capítulo, o filho de Graciliano Ramos, Ricardo Ramos, explica que o pai não conseguiu escrever o capítulo final, em que descreveria as suas impressões após a sua saída da prisão. O livro foi adaptado para o cinema em 1984, com direção de Nelson Pereira dos Santos e com o ator Carlos Vereza interpretando o escritor alagoano. Ano passado, a morte de Graciliano Ramos completou 70 anos, período em que, no Brasil, a obra de um autor passa a domínio público e as editoras passam a poder publicar os seus livros sem precisar pagar direitos autorais à família. A editora Record tinha os direitos de publicação até 2023. fr

Manuscrito da versão inicial de "Memórias do Cárcere", de 11.6.1949

segunda-feira, 6 de maio de 2024

Botafogo perde em casa para o Bahia: 2x1

O Botafogo jogou melhor, mas perdeu, ontem, por 2x1, para o Bahia, em casa, e perdeu, também, a liderança do Campeonato Brasileiro, caindo para o terceiro lugar, embolado com Atlético Mineiro e Bragantino. Os três estão com nove pontos, mas o Fogão tem mais gols marcados. O Botafogo marcou mais dois gols durante o jogo, mas eles foram anulados com a interferência do VAR. O primeiro, de Luiz Henrique foi corretamente anulado, mas o segundo, logo no primeiro minuto do segundo tempo, foi muito criticado devido a linha de impedimento ter sido marcada no braço do jogador Damián Suárez, que fez o passe para o gol de Junior Santos. A reclamação foi que a linha deveria ter sido assinalada no ombro, o que faria com que o gol fosse legal. O gol da vitória do Bahia foi resultado de uma bobeira da linha de marcação, que abriu um espaço enorme para Rafael Ratão receber, avançar, driblar o goleiro e desempatar, aos 40 minutos do segundo tempo. Um péssimo resultado em casa! fr
___

FICHA TÉCNICA
BOTAFOGO 1 X 2 BAHIA
Local: Estádio Nilton Santos, no Rio de Janeiro (RJ)
Data: 5 de maio de 2024 (Domingo)
Horário: 18h30(de Brasília)
Árbitro: Rafael Rodrigo Klein (Fifa-RS)
Assistentes: Rafael da Silva Alves (Fifa-RS) e Tiago Augusto Kappes Diel (RS)
VAR: Igor Junio Benevenuto de Oliveira (Fifa-MG)
Cartões amarelos: Bastos e Alexander Barboza (Botafogo); Kanu e Rezende (Bahia)
GOLS
BOTAFOGO: Jeffinho, aos 17min do segundo tempo
BAHIA: Everaldo, aos 47min do primeiro tempo; Rafael Ratão, aos 40min do segundo tempo
BOTAFOGO: John, Damián Suárez (Alexander Barboza), Bastos, Lucas Halter e Hugo (Cuiabano); Danilo Barbosa (Gregore), Marlon Freitas e Jefferson Savarino; Júnior Santos, Jeffinho (Diego Hernández) e Luiz Henrique (Romero)
Técnico: Artur Jorge
BAHIA: Marcos Felipe, Santiago Arias, Gabriel Xavier, Kanu e Luciano Juba; Caio Alexandre (De Pena), Jean Lucas, Thaciano (Rafael Ratão), Everton Ribeiro (Ademir) e Cauly (Biel); Everaldo (Rezende)
Técnico: Rogério Ceni
Fonte: UOL

sexta-feira, 3 de maio de 2024

Botafogo vence o 5º jogo seguido e abre vantagem na Copa do Brasil

O Botafogo venceu, ontem, o Vitória, em casa, por 1x0, pela terceira fase da Copa do Brasil e poderá empatar no jogo de volta, no dia 21, para classificar-se às oitavas de final. É a quinta vitória consecutiva do Fogão! Esta é a regularidade que eu tanto reclamo. Eu não entendi a opção do treinador Artur Jorge, que não começou o jogo com os titulares disponíveis, apenas colocando alguns no segundo tempo. Está poupando o time para quê? É fase decisiva da Copa do Brasil, se não superar o Vitória o Botafogo estará eliminado. Enquanto isso, o Campeonato Brasileiro está apenas no início, foram disputadas apenas quatro rodadas. Ainda bem que o Botafogo conseguiu a vitória (uma vitória difícil, de apenas um gol de vantagem, mas conseguiu!), mas e se não tivesse conseguido? Para que complicar, Artur Jorge? fr
___

FICHA TÉCNICA
Botafogo 1x0 Vitória
Copa do Brasil - 3ª fase (jogo de ida)
Local: Estádio Nilton Santos, no Rio de Janeiro
Data: 2/05/2024 (quinta-feira)
Horário: 19h
Árbitro: Luiz Flávio de Oliveira
Assistentes: Neuza Ines Back e Miguel Cataneo Ribeiro da Costa
VAR: Wagner Reawy
Cartões amarelos: Gregore (Botafogo)
Gols: Eduardo aos 19 minutos do 2° tempo
Botafogo: John; Mateo Ponte (Suárez), Lucas Halter, Alexandre Barboza e Cuiabano; Gregore e Patrick de Paula (Danilo Barbosa); Luiz Henrique (Júnior Santos), Jeffinho, Diego Hernández (Óscar Romero) e Eduardo (Savarino). Técnico: Artur Jorge.
Vitória: Lucas Arcanjo; Zeca, Camutanga (Bruno Uvini) e Wagner Leonardo; Willean Lepo (Osvaldo), Willian Oliveira, Dudu, Jean Mota (Janderson) e Patric Calmon; Matheusinho (Léo Naldi) e Alerrandro (Luiz Adriano). Técnico: Léo Condé.
Fonte: Bahia Notícias

domingo, 28 de abril de 2024

Botafogo vence o Flamengo no Maracanã por 2x0 com direito a chororô rubro-negro

O Botafogo venceu, hoje, o Flamengo, no Maracanã, por 2x0, e assumiu a liderança do Campeonato Brasileiro, com uma derrota e três vitórias consecutivas. No primeiro tempo, só deu o Flamengo, mas o adversário não teve a competência necessária para fazer o gol. No segundo, o Fogão fez dois bonitos gols. Aos sete minutos, Savarino cobrou escanteio para Luiz Henrique, na grande área chutar, rasteiro, e a bola ir direto no canto direito do goleiro do Flamengo. E aos 47, Diego Hernández dividiu com Fabricio Bruno, que caiu, e os jogadores do Flamengo ficaram pedindo falta, mas o árbitro estava bem próximo do lance e mandou que seguisse. A bola foi para Tchê Tchê, que passou para Jeffinho, que serviu Savarino e este deslocou o goleiro rubro-negro. Enquanto os jogadores do Botafogo faziam a festa, os do Flamengo ficaram chorando com o árbitro, pedindo falta. E podia ter sido de mais: aos 35 minutos, Jeffinho recebeu de Tchê Tchê e, de frente para Rossi, chutou para a difícil defesa do goleiro rubro-negro. Festa alvinegra, chororô rubro-negro! fr


Flamengo 0x2 Botafogo (ficha técnica)

sábado, 27 de abril de 2024

Presidente de Portugal reconhece ser necessário "reparar" crimes durante colonização, mas não diz como

        O presidente de Portugal, Marcelo Rebelo de Sousa, reconheceu, nesta terça-feira, dia 23, os crimes cometidos pelo seu país no período de colonização do Brasil. Marcelo Rebelo disse que Portugal “assume” a culpa pelos bens saqueados e pelo assassinato e escravidão de indígenas e pretos e que o seu país deveria reparar o Brasil pelos danos causados. Segundo o presidente português: “Temos que pagar os custos. Há ações que não foram punidas e os responsáveis não foram presos? Há bens que foram saqueados e não foram devolvidos? Vamos ver como podemos reparar isso.”
        Ele disse o que todo mundo já sabe, mas Portugal é um país parlamentarista e quem governa de fato é o primeiro-ministro, portanto, não deve haver um efeito prático pela declaração do presidente, pelo menos de imediato. Os portugueses não estudam nas escolas os males do colonialismo, apenas o seu lado positivo, o de desbravar o mundo então conhecido dos séculos 15 e 16, e orgulham-se disso.
        Portugal é o país europeu que mais traficou africanos durante o colonialismo, foram algo em torno de seis milhões de pessoas. Riquezas e bens históricos foram saqueados dos países colonizados, como Brasil, Angola, Cabo Verde, Moçambique, Timor Leste e regiões da índia. Não se dá destaque a isso nas escolas portuguesas, apenas ao lado positivo (para eles, é claro).
        Mas Portugal não é o único país com um passado colonizador. Vários países europeus invadiram, pilharam, escravizaram, assassinaram. A Espanha praticamente dizimou os indígenas em suas colônias americanas. A Holanda, por exemplo, pediu desculpas oficialmente em 2022, através do primeiro-ministro Mark Rutte, pelo tráfico de escravos. Como o próprio presidente Marcelo Rebelo reconheceu, “pedir desculpas é a parte mais fácil”.
        O presidente Marcelo Rebelo de Sousa fala em “reparações”. E como Portugal faria isso? Como reparar milhões de vidas perdidas, e outras tantas torturadas? Portugal teria como devolver todas as riquezas que retirou do Brasil (principalmente o nosso ouro) e de outros países colonizados por séculos? E os criminosos que mataram e escravizaram (mas já morreram há séculos), seriam punidos? Claro que não! fr

Presidente de Portugal reconhece crimes durante passado colonizador

quinta-feira, 25 de abril de 2024

Botafogo, enfim, vence uma na Libertadores: 3x1 Universitario do Peru

O Botafogo, enfim, venceu na Copa Libertadores. Ontem, derrotou o Universitario, do Peru, no Estádio Nilton Santos, por 3x1, após ter perdido os dois primeiros jogos. Todos os gols foram no segundo tempo. O Botafogo estava vencendo por 3x0, mas permitiu o gol do Universitario no finalzinho do jogo, aos 48 minutos. Mais um descuido, que também aconteceu no domingo passado quando vencia o Juventude por 5x0 e levou um gol aos 39 minutos do segundo tempo. O Botafogo segue em último lugar, com apenas três pontos, o primeiro não está tão à frente, é o Junior Barranquilla, da Colômbia, com cinco pontos. A LDU, do Equador, e o próprio Universitario têm quatro pontos cada. Dá para o Fogão conseguir uma das duas vagas para as oitavas de final. Mas é preciso vencer a LDU no próximo jogo, na quarta-feira, 8 de maio, em casa. fr
__

Ficha técnica
Botafogo 3 x 1 Universitario-PER
Competição: 3ª rodada do Grupo D da Libertadores
Local: Estádio Nilton Santos, no Rio de Janeiro (RJ)
Data e hora: 24 de abril de 2024, às 19h
Árbitro: Jesus Valenzuela
Assistentes: Jorge Urrego e Alberto Ponte
VAR: Juan Soto
Amarelos: Saravia, Valera, Pérez Guedes, John Celi, Hugo
Vermelho: Não houve
Gols: Eduardo, aos 1'/2ºT e aos 47'/2ºT, e Luiz Henrique, aos 12'/2ºT, Olivares, aos 48'/2ºT
Botafogo: John; Damián Suárez (Ponte), Lucas Halter, Bastos (Barboza) e Hugo; Gregore, Marlon Freitas (Tchê Tchê), Luiz Henrique (Óscar Romero) e Savarino; Júnior Santos e Tiquinho Soares (Eduardo). Técnico: Artur Jorge
Universitario: Britos; Corzo, Riveros, Saravia e Polo (Ancajima); Portocarrero, Murrugarra (Concha), Ureña e Pérez Guedes (Celi)); Flores (Olivares) e Valera (Dorregaray). Técnico: Fabian Bustos
Fonte: UOL

terça-feira, 23 de abril de 2024

Frases interessantes da internet, sem autoria informada:

121. “Eu não ligo para coisas caras, mas dou valor para aquelas que não têm preço.”

122. “Não dá para esperar que uma pessoa mude, se ela não vê problema em suas atitudes.”

123. “Não se iluda! Se a pessoa não te procura ela não sente a tua falta. As pessoas têm tempo, é você que não é prioridade!”

124. “Você não é o dinheiro que tem, você não é o teu diploma, teu currículo, nem o carro que tem na garagem. Você é o sorriso que entrega, a mão que estende, o abraço que dá. Você é o amor que espalha.”

125. “Se custa a tua paz, então é caro demais! Isto serve para qualquer coisa!”

segunda-feira, 22 de abril de 2024

Botafogo faz uma ótima atuação e goleia o Juventude por 5x1

Este é o Botafogo que eu gosto de ver! O Fogão jogou muito bem, e goleou, ontem, o Juventude por 5x1, no Estádio Nilton Santos. Com oito minutos do primeiro tempo, já estava 2x0. O time jogou muito e, o mais importante, não se acomodou com a vitória, buscava sempre o ataque. Tem que jogar sempre assim! É claro que cada jogo tem a sua história e cada adversário as suas características. Mas é muito bom ver o Botafogo jogando para frente, para vencer. E ver o golaço que o Savarino fez, no quarto gol, há muito tempo não vejo gol de falta tão bem cobrada, no ângulo direito. Uma pena o Fogão ter levado um gol.  É só o início do campeonato, tem muito ainda pela frente, mas vale valorizar a excelente atuação de ontem, que continue assim, sempre! fr
__

FICHA TÉCNICA
BOTAFOGO 5 X 1 JUVENTUDE
Estádio: Nilton Santos
Data-Hora: 21/4/2024 – 18h30
Árbitro: Arthur Gomes Rabelo (ES)
Assistentes: Bruno Raphael Pires (Fifa/GO) e Eduardo Gonçalves da Cruz (MS)
VAR: Daiane Muniz (VAR-Fifa/SP)
Renda e público: R$ 496.190,00 / 11.318 pagantes / 13.273 presentes
Cartões amarelos: Jeffinho, Marlon Freitas e Diego Hernández (BOT); Lucas Freitas e Gabriel Inocêncio (JUV)
Cartões vermelhos: Lucas Freitas 36’/1ºT (JUV)
Gols: Júnior Santos 3’/1ºT (1-0), Tiquinho Soares 8’/1ºT (2-0), Danilo Barbosa 8’/2ºT (3-0), Savarino 15’/2ºT (4-0), Jacob Montes 34’/2ºT (5-0) e Danilo Boza 39’/2ºT (5-1)
BOTAFOGO: Gatito Fernández; Mateo Ponte (Damián Suárez – Intervalo), Lucas Halter, Bastos (Pablo 17’/2ºT) e Hugo; Júnior Santos (Jacob Montes 26’/2ºT), Danilo Barbosa, Marlon Freitas e Jeffinho (Diego Hernández – Intervalo); Savarino e Tiquinho Soares (Eduardo 17’/2ºT) – Técnico: Artur Jorge.
JUVENTUDE: Gabriel; João Lucas, Danilo Boza, Lucas Freitas e Gabriel Inocêncio; Caíque, Mandaca (Abner 38’/2ºT), Jean Carlos (Marcelinho – Intervalo) e Nenê (Rodrigo Sam 42’/1ºT); Lucas Barbosa (Thiaguinho 19’/2ºT) e Erick Farias (Ruan – Intervalo) – Técnico: Roger Machado.
Fonte: Jornal do Brasil

domingo, 21 de abril de 2024

A leitura é fundamental na vida de uma pessoa

              

"O livro é gênero de primeira necessidade e devia estar na cesta básica."  ZIRALDO

sábado, 20 de abril de 2024

Brasileiros são agredidos por xenófobos na Irlanda

      Mais um caso de xenofobia na Europa. Brasileiros têm sido agredidos covardemente na rua na cidade de Limerick, no sul da Irlanda, sexto país com mais brasileiros naquele continente, são 60 mil. Na noite do sábado, dia 13 deste mês, Roberto Gomes Júnior voltava do trabalho com o irmão, Leonardo, quando foi abordado por um homem que lhe perguntou de que país ele é. Ao ouvir que Roberto era brasileiro, o homem o agrediu com um objeto que levava dentro de sua jaqueta. Ele precisou ser atendido em um hospital, onde levou seis pontos na testa e teve que pagar uma conta médica no valor de 110 euros, o equivalente a 553 reais. Os dois jovens saíram de Duque de Caxias, na Baixada Fluminense, para estudar Inglês na Irlanda, trabalhando no tempo livre para pagar as despesas.
        - Eu escolhi a Irlanda porque queria aprender Inglês. Vim para Limerick porque tinha um custo de vida mais baixo, também parecia uma cidade mais tranquila e com uma segurança superior a Dublin [capital da Irlanda], destino de boa parte das pessoas. Mas enquanto estive por aqui, notei que não era bem assim.
        Neste mês, outros dois brasileiros denunciaram também terem sido agredidos na rua de Limerick em situação semelhante após serem abordados e dizerem que são brasileiros. Frederico de Lima Costa e Mateus Gonzales Serafim, por exemplo. Os seus agressores chegaram a filmar a agressão e publicá-la no Tik Tok, mas ela foi excluída pela rede social. Roberto confirma:
        - Não somos os únicos. Nós ficamos sabendo de alguns outros casos durante nosso tempo aqui. E não é só contra brasileiros não, basta ser de outra nacionalidade.
        Na internet, esses agressores têm sido identificados como “snackers”, irlandeses xenófobos que têm perseguidos estrangeiros, principalmente brasileiros, latinos em geral, e indianos. O objetivo é fazer com que os estrangeiros deixem a Irlanda. Roberto registrou a ocorrência na polícia e aguarda que o crime seja apurado. Segundo ele, a recuperação psicológica é muito mais difícil do que a física, já que a agressão deixa um forte trauma emocional.
        - Esse caso, assim como outros, está ganhando manchetes por aqui. Então estou recebendo muitas mensagens de irlandeses envergonhados dizendo que essas pessoas [os xenófobos] não representam o povo da Irlanda. Mas minha vontade é de ir embora, só gostaria de ver os desdobramentos dos casos primeiro. Lamentável ver como vários países europeus têm atacado estrangeiros. As informações que eu informo no meu texto eu li em reportagens na internet. fr

sexta-feira, 19 de abril de 2024

Botafogo vence com dificuldade o Atlético-GO em casa: 1x0

O Botafogo venceu, ontem, em casa, por apenas 1x0, o Atlético Goianiense, na primeira vitória do treinador português, Artur Jorge, em três compromissos. Jogando em casa e com um adversário de menor tradição, o Botafogo deveria ter vencido com mais facilidade e por um placar maior, não podia mostrar tanta insegurança e deixar o Atlético tomar a iniciativa do jogo. Curiosidade: O Botafogo não vencia o Atlético Goianiense há oito anos! Foram seis jogos, em que o Botafogo perdeu dois e empatou quatro. A última vitória tinha sido em 1º de setembro de 2015, por 4x0. Não poder ser! Com todo o respeito, como é que o Botafogo tinha uma escrita negativa até para o Atlético Goianiense? É mais um dos absurdos que vão se acumulando com o nosso Fogão. fr
___

FICHA TÉCNICA
BOTAFOGO 1 X 0 ATLÉTICO-GO
Local: Estádio Nilton Santos, no Rio de Janeiro (RJ)
Data: 18 de abril de 2024 (Quinta-feira)
Horário: 21h30 (de Brasília)
Árbitro: Luiz Flavio de Oliveira
Assistentes: Neuza Ines Back e Daniel Paulo Ziolli
VAR: Thayslane de Melo Costa
Cartões amarelos: Lucas Halter, Patrick de Paula e Tiquinho Soares (Botafogo); Pedro Henrique, Bruno Tubarão, Rhaldney e Luiz Felipe (Atlético-GO)
GOL: BOTAFOGO: Mateo Ponte, aos 31min do primeiro tempo
BOTAFOGO: Gatito Fernández, Mateo Ponte, Lucas Halter, Bastos e Hugo; Gregore (Danilo Barbosa), Tchê Tchê; Luiz Henrique (Savarino), Júnior Santos (Patrick de Paula), Matheus Nascimento (Tiquinho Soares) e Jeffinho (Romero)
Técnico: Artur Jorge.
ATLÉTICO-GO: Ronaldo, Rodallega, Bruno Tubarão, Luiz Felipe, Pedro Henrique e Guilherme Romão; Rhaldney (Yony González), Baralhas, Shaylon e Alejo Cruz (Vagner Love); Luiz Fernando (Max) e Emiliano Rodríguez (Derek)
Técnico: Emílio Faro (auxiliar).

Fonte: Gazeta Esportiva.

quarta-feira, 17 de abril de 2024

CBF sorteia confrontos da 3ª fase da Copa do Brasil. Botafogo vai enfrentar o Vitória.

A CBF (Confederação Brasileira de Futebol) realizou, hoje, o sorteio que definiu os confrontos da terceira fase da Copa do Brasil, veja abaixo. O Botafogo vai enfrentar o Vitória. Nesta fase, 12 equipes vão se juntar às 20 que se classificaram na fase anterior. São elas as oito que iniciaram a Copa Libertadores, entre elas o Fogão; mais o Athletico-PR, nono colocado no Campeonato Brasileiro do ano passado; o Ceará, atual campeão da Copa Nordeste; o Goiás, campeão da Copa Verde e o Vitória, atual campeão da Segunda Divisão. Os jogos serão em ida e volta, sendo que o Botafogo vai fazer o primeiro jogo no Estádio Nilton Santos; é um jogo para vencer e bem, para poder jogar fora de casa com tranquilidade. Em caso de empate, a decisão será na marca dos pênaltis. A classificação para as oitavas de final vale uma premiação de três milhões e quatrocentos mil reais (muito dinheiro!). fr

segunda-feira, 15 de abril de 2024

Cruzeiro 3x2 Botafogo (ficha técnica)

FICHA TÉCNICA
CRUZEIRO 3X2 BOTAFOGO
Local: Mineirão, Belo Horizonte (MG)
Data: 14/04/2024, domingo
Horário: 17h (de Brasília)
Público e renda: 20.701 presentes / R$ 623.060,00
Árbitro: Matheus Delgado Candançan (SP)
Assistentes: Marcelo Carvalho Van Gasse (SP) e Luiz Alberto Andrini Nogueira (SP)
VAR: Rodrigo D'Alonso Ferreira (SC)
Cartão amarelo: Gregore, Júnior Santos e Danilo Barbosa (Botafogo) e Zé Ivaldo, Arthur Gomes, Rafa Silva e Rafael Elias (Cruzeiro)
Cartão vermelho: Alexander Barboza (Botafogo)
Gols:
Cruzeiro: Lucas Silva, aos 19' do 1ºT, Rafa Silva, aos 19' do 2ºT, e Rafael Elias, aos 45' do 2ºT
Botafogo: Tiquinho Soares, aos 4' do 1ºT, e Danilo Barbosa, aos 37' do 2ºT
CRUZEIRO: Anderson; William, Zé Ivaldo, Neris e Marlon; Lucas Romero (João Marcelo), Lucas Silva (Mateus Vital) e Ramiro (Cifuentes) e Matheus Pereira (Gabriel Veron); Arthur Gomes (Barreal) e Rafa Silva (Rafael Elias). Técnico: Fernando Seabra.
BOTAFOGO: Gatito Fernández; Mateo Ponte, Lucas Halter, Bastos (Alexander Barboza) e Marçal (Hugo); Gregore (Danilo Barbosa), Marlon Freitas (Tchê Tchê) e Luiz Henrique; Jeffinho (Savarino), Júnior Santos e Tiquinho Soares (Óscar Romero). Técnico: Artur Jorge.
Fonte: Gazeta Esportiva.

Botafogo joga muito mal e estreia com derrota no Campeonato Brasileiro

        O Botafogo estreou, ontem, no Campeonato Brasileiro perdendo por 3x2 para o cruzeiro, no Mineirão. E perdeu não porque o adversário jogou muito, mas porque o Botafogo errou bastante. O Fogão começou bem o primeiro tempo, chegou a fazer um gol logo aos quatro minutos, com Tiquinho Soares, mas permitiu a reação do Cruzeiro e o gol do empate, 15 minutos depois, passando apenas a praticamente somente se defender, não criando muito.
        No segundo tempo, novamente o Botafogo começou bem, e Jeffinho perdeu um gol incrível, aos cinco minutos, com o gol aberto. Mas, de novo deixou o Cruzeiro mandar no jogo. E, assim como no primeiro tempo, aos 19 minutos do segundo o Botafogo levou mais um gol, com Rafa Silva, o gol do primeiro desempate do jogo.
        Aos 23 minutos, o zagueiro argentino Alexander Barboza, que tinha acabado de entrar, fez uma falta forte e totalmente desnecessária em Mateus Pereira. Levou o cartão amarelo, mas o VAR chamou o árbitro, que cancelou o amarelo e o expulsou, corretamente, prejudicando o time. Foi uma falta idiota, porque o árbitro já tinha parado o jogo, marcando uma falta anterior A FAVOR do Botafogo. Para que contrataram esse cara? E por que ainda o mantém no time?
        Os jogadores do Cruzeiro tocavam a bola e chegavam fácil ao campo de defesa do Botafogo, que dava muito espaço, falhando na marcação. Aos 38 minutos, Danilo Barbosa, que tinha entrado após a besteira do argentino Alexander Barboza, fez o gol de cabeça, em uma cobrança de escanteio, empatando o jogo. Se o jogo tivesse terminado empatado, o Botafogo teria que comemorar muito porque não jogou nada.
        Mas o jogo continuou, e aos 46 minutos William cruzou rasteiro para a área, a defesa alvinegra falhou mais uma vez, não cortando, e Rafael Elias desempatou. É o segundo jogo do treinador português, Artur Jorge, que vai ter muito o que fazer. A defesa está sempre aberta e o ataque não é acionado. O Campeonato Brasileiro está apenas começando, claro, mas é preciso ter regularidade e vencer jogos em sequência se quiserem disputar o título, não apenas fazer participação.
        Eu reparei que em três dos cinco gols os jogadores que marcaram tiraram a camisa. Danilo Barbosa tirou a camisa do Botafogo para mostrar o seu nome para a torcida. Está errado, mas pior fizeram Rafa Silva e Rafael Elias, que simplesmente tiraram a camisa do Cruzeiro e a jogaram longe! Demonstraram total descaso pelo clube em que jogam e pela torcida. É revoltante ver esse tipo de atitude! Esses jogadores não têm nenhuma ligação com o clube onde estão no momento e estão preocupados apenas com o lado individual e, principalmente, com o dinheiro que recebem. Uma vergonha! fr

domingo, 14 de abril de 2024

Dica de filme: "Interlúdio" (1946)

INTERLÚDIO (“Notorious”)
EUA, Espionagem, 1946
Direção: Alfred Hitchcock
Com: Cary Grant, Ingrid Bergman, Claude Rains
Assisti a este filme por duas razões: a direção é de Hitchcock e a história tem o Rio de Janeiro como cenário, mesmo apenas com cenas de fundo, já que foi rodado nos Estados Unidos e os atores e o diretor não vieram para o Rio. Achei interessante justamente por ver imagens antigas do Rio, como a Cinelândia; o Teatro Municipal; o antigo Palácio Monroe, demolido anos mais tarde pela ditadura militar, em 1976. A história: Alicia Huberman (Igrid Bergman) é filha de um cientista condenado à prisão por ter colaborado com o governo alemão durante a Segunda Guerra Mundial. Ela passa a levar uma vida de relacionamentos sem compromisso e festas, até ser convidada pelo agente secreto estadunidense Devlin (Cary Grant) a infiltrar-se em uma organização simpatizante à Alemanha instalada na cidade do Rio de Janeiro. Alicia não concordava com as atividades do pai e aceitou, vindo para o Rio com Devlin e, claro, os dois acabam por apaixonar-se, mas a jovem teria que seduzir Alexander Sebastian (Claude Rains), um antigo pretendente. Enciumado com a missão, Devlin passou a tratá-la com frieza e desconfiança. Entre os filmes com a assinatura do Hitchcock não incluo “Interlúdio” como os meus preferidos, mas fica a dica. fr