SEJA ÉTICO

SEJA ÉTICO: Todos os direitos reservados. É permitida a reprodução do conteúdo deste blog com a devida citação de sua fonte.

segunda-feira, 12 de novembro de 2018

Stan Lee morre, aos 95 anos

           STAN LEE, co-criador de alguns dos mais famosos personagens do mundo dos super-heróis, morreu hoje, aos 95 anos. A filha, Joan Celia Lee, confirmou a morte, informando que o pai passou mal em sua residência em Los Angeles, sendo levado para o hospital, onde faleceu. Stanley Martin Lieber nasceu em 28 de dezembro de 1922, em Nova Iorque, cidade onde se passavam muitas das estórias que criou. A sua esposa, Joan Lee, com quem viveu por 69 anos, morreu em julho do ano passado. Eles tiveram duas filhas, Joan e Jan Lee, que faleceu horas após o parto. Recentemente, a imprensa dos Estados Unidos divulgou que a filha estaria mal tratando o pai, já idoso e doente. Em parceria com desenhistas como Steve Ditko e Jack Kirby, o roteirista Stan Lee criou personagens de revistas que eu curtia muito quando criança, dentre eles:
 
. o Homem-Aranha, o meu preferido, em 1962, e o Duende Verde, em 1964, com Steve Ditko;
. Quarteto Fantástico, em 1961, e Hulk, em 1962, com Jack Kirby;
. Thor, em 1962, e Homem-de-Ferro, em 1963, com Larry Lieber e Jack Kirby (e Don Heck, no Homem-de-Ferro);
. Demolidor, com Bill Everett, 1964;
. Os Vingadores, com Jack Kirby e Dick Ayers, 1963, depois do surgimento da Liga da Justiça da DC Comics.
O sucesso das revistas em quadrinhos transformou a Marvel Comics em uma empresa milionária, e levou os personagens para a animação e seriados na TV e filmes no cinema, em que ele costumava aparecer fazendo aparições. Com certeza, as estorinhas de Stan Lee me divertiram muito em minha infância. Vai com Deus, e obrigado! fr

domingo, 11 de novembro de 2018

Os melhores programas da TV brasileira (02) - LEITURA DINÂMICA

 
O programa “Leitura Dinâmica” é o único da Rede TV de que eu gosto. É um jornalístico ágil, dinâmico, fazendo jus ao seu nome. As notícias são curtas e muitas delas não vejo em outros programas. Ele estreou em novembro de 1999, apenas aos domingos, mas o seu sucesso o levou a ser diário, a partir da meia-noite, com 30 minutos de duração. fr

domingo, 4 de novembro de 2018

Documentário revela comportamento mimado do príncipe Charles

           Existem determinadas tradições que já não convivem bem com a realidade atual, e uma delas é manter os inúmeros privilégios de uma família real. O documentário "Serving the Royals: Inside the Firm", recentemente divulgado, mostra como se comporta o príncipe Charles, filho e primeiro nome na sucessão da rainha Elisabeth II, do Reino Unido. O documentário mostra relatos de pessoas que trabalharam para a família real, entre elas Paul Burrell, ex-criado da rainha e ex-mordomo do príncipe e da princesa de Gales, Diana.
Ele diz que o príncipe é extremamente mimado e exige que os empregados o sirvam para as coisas mais elementares do dia a dia. Os seus pijamas têm que ser passados diariamente, assim como os cadarços dos seus sapatos; e até mesmo a pasta de dentes quem coloca em sua escova são os empregados. Paul Burrell conta que o príncipe lhe pedia objetos que estavam a menos de um metro de distância, e chegou até a chamá-lo em seu escritório para que ele pegasse uma carta que tinha caído em seu cesto de lixo de papel.
Ou seja, faz sentido um povo sustentar uma família que se comporta como seres tão superiores? Uma família que ocupa uma posição pelo simples fato de nascer nela, nada mais, sem nenhuma meritocracia. Já não basta ter que sustentar os políticos, o povo britânico ainda sustenta várias pessoas de uma família, com inúmeros e absurdos gastos com empregados, segurança, viagens, educação, saúde e tudo de melhor, que as pessoas “comuns” não têm. fr

sexta-feira, 2 de novembro de 2018

Assembleia Geral da ONU condena bloqueio a Cuba

           A Assembleia Geral da ONU (Organização das Nações Unidas) aprovou hoje por ampla maioria, resolução que condena o bloqueio econômico, comercial e financeiro a Cuba. É o 27º ano consecutivo que a resolução é aprovada, mas, como não tem o poder de impor qualquer mudança, é apenas um indicativo de que ela é necessária. Foram 189 países que votaram a favor da resolução, condenando o bloqueio, e somente os Estados Unidos e Israel foram contrários.
 
Os Estados Unidos sempre alegam estarem defendendo os direitos humanos do povo cubano, mas a História mostra que ao longo das últimas décadas o país tem apoiado regimes ditatoriais pelo mundo, que desrespeitavam esses mesmos direitos. Cuba, por sua vez, faz questão de mostrar os enormes prejuízos que o bloqueio provoca ao povo cubano, impedindo que ele tenha acesso a medicamentos e dificultando intercâmbios culturais e esportivos.

A questão é que os Estados Unidos usam contra Cuba um critério que não usa para outros países que eles igualmente não consideram democráticos. Por que não fazer um bloqueio à China, por exemplo? A maior ditadura comunista do mundo não violaria os direitos humanos? A verdade é que não são os intereses do povo cubano, ou dos Estados Unidos, ou de qualquer outro país que interessam aos governos. O que interessa são os negócios, a venda de seus produtos, o dinheiro, enfim. Eu continuo torcendo para que Cuba persista em sua abertura, e se reaproxime da democracia. Mas sem ter que seguir a imposição de qualquer país. fr

quinta-feira, 1 de novembro de 2018

Dica de filme: "Especialista em Crise"

ESPECIALISTA EM CRISE (“Our Brand Is Crisis”)
EUA, 2015, Drama
Direção: David Gordon Green
Com: Sandra Bullock, Billy Bob Thornton, Joaquim de Almeida, Anthony Mackie, e o ator boliviano Reynaldo Pacheco

Assisti esta semana a este filme, que mostra o trabalho de consultoria política feito por uma empresa estadunidense a um candidato à presidência da Bolívia, Pedro Castillo (interpretado pelo português Joaquim de Almeida). Castillo já havia sido presidente, mas não era carismático, nem demonstrava a menor empatia com o povo. Ele estava muito atrás do primeiro colocado nas pesquisas de intenção de voto, e Jane "Calamidade" Bodine (Sandra Bullock), foi chamada para ajudar como especialista em campanhas políticas. Afastada desse trabalho por conta das últimas experiências frustradas pelas quais passara, Bodine somente aceitou o convite ao saber que o candidato favorito era assessorado por um desafeto, Pat Candy (Billy Bob Thornton).
O filme mostra a sujeira das estratégias utilizadas pelos dois lados, recorrendo a acusações falsas e trapaças para conseguir eleger quem lhe contratou, independente de qualquer preocupação com os destinos do povo boliviano. O filme é fictício, mas é baseado em um documentário homônimo de 2005, escrito e dirigido por Rachel Boynton, sobre a atuação da empresa de consultoria política Greenberg Carville Shrum (GCS) na eleição de 2002 na Bolívia. O ex-presidente Gonzalo Sánchez de Lozada saiu das últimas colocações nas pesquisas e foi eleito presidente da República.
A estória do filme faz referência à Bolívia, mas tem tudo a ver com muitos outros países onde as eleições são disputadas por candidatos e grupos políticos mais preocupados com os seus projetos pessoais do que com o povo. O Brasil, inclusive.  Curiosidades: um dos produtores do filme, George Clooney, era apontado para dirigir e fazer o papel principal; as filmagens ocorreram no estado de Luisiana, Estados Unidos. fr

quarta-feira, 31 de outubro de 2018

Índia inaugura a estátua mais alta do mundo

Foi inaugurada hoje, dia 31, uma estátua de 182 metros de altura (sendo 157 metros sem o pedestal), na Índia, em homenagem a Sardar Patel, ministro do Interior durante o primeiro governo indiano pós-independência. Patel é considerado um dos heróis nacionais, responsável pela manutenção da unidade do território daquele país. A estátua superou a do Buda do Templo de Primavera, na China, de 153 metros (com 128 metros sem o suporte), como a estátua mais alta do mundo. O primeiro-ministro indiano, Narendra Modi, esteve presente na inauguração. Foi ele próprio quem propôs a construção do monumento, quando era chefe de governo do seu estado natal, Gujarate. O custo da homenagem foi de cerca de 404 milhões de dólares, o que motivou críticas, tanto pelo elevado valor, quanto pelo impacto ambiental. Os defensores da construção alegam que o monumento atrairá turistas à região, possibilitando o seu desenvolvimento. fr

domingo, 28 de outubro de 2018

Jair Bolsonaro é eleito presidente da República

           A votação através do voto eletrônico permite uma rápida apuração dos votos, e jà às 19:21 o país estava conhecendo oficialmente quem foi eleito o próximo presidente da República. O capitão reformado do Exército Jair Bolsonaro, atualmente filiado ao PSL (Partido Social Liberal), foi eleito com pouco mais da metade dos votos válidos.
 
Esta foi uma eleição marcada pela disseminação de mentiras pelas redes sociais, as chamadas “fakes news”. E a eleição de Bolsonaro deveu-se em grande parte ao ódio pelo PT (Partido dos Trabalhadores). Muita gente votou nele dizendo ser contrária à corrupção, mesmo a sua candidatura contando com o apoio de políticos envolvidos justamente em práticas de corrupção, que estão sendo investigadas pela Operação Lava Jato. E muitos votaram nele reconhecendo não gostarem dele e de suas posições extremistas em defesa da tortura, e contra as mulheres, empregadas domésticas, nordestinos e homossexuais.
           Agora, como brasileiro, vou torcer para que Bolsonaro faça um ótimo governo, e que respeite as normas democráticas. O sucesso do seu governo vai beneficiar o país, já tão sofrido por conta da roubalheira dos políticos, com índices enormes de desemprego e subemprego, e péssimos serviços públicos de Saúde, Educação e Segurança Pública. O Brasil tem que estar acima dos partidos e de qualquer ideologia política. fr
 

Wilson Witzel é eleito governador do Rio de Janeiro

Votei no segundo turno, e torço pelo melhor para o Rio e o Brasil

          Votei, hoje à tarde, no segundo turno. Ao contrário do primeiro, cheguei e já fui chamado pelas mesárias para votar, não tinha fila. Foi tudo rápido e fácil. E desta vez não vi ninguém distribuindo panfletos, nem papeis espalhados no chão. Os meus votos foram para os ‘menos piores’, não simpatizo com nenhuma das candidaturas.

Infelizmente, há décadas não surgem novas lideranças políticas no Brasil. Nós temos no país políticos que estão há anos sendo reeleitos, e elegendo os seus parentes, mas nada fazem de bom para o povo. Eu votei no Haddad, não por simpatia ao PT, que foi uma decepção quando esteve na presidência, mas por discordar do radicalismo manifestado pelo Bolsonaro, que defende abertamente a tortura, e é apoiado por vários deputados investigados por corrupção pela Operação Lava Jato. E votei no ex-prefeito Eduardo Paes para o governo do estado do Rio de Janeiro, por ser o seu adversário, o ex-juiz federal Wilson Witzel, do PSC, uma incógnita, e que apoia as ideias de Bolsonaro.
Estas eleições foram marcadas pelas chamadas fakes news, mentiras espalhadas como sendo notícias verdadeiras. Muita sujeira! Espero que, independente de quem seja eleito, continue havendo investigação por parte do poder Judiciário das práticas de corrupção por todo o país. O Brasil não pode continuar sendo roubado por esses políticos pilantras, seja de que partido político for. E que se invista em saneamento básico, Saúde, Educação e Segurança Pública. E é preciso que o número de desempregados diminua.
E, enfim, tenham a coragem de fazer uma reforma política que diminua o número absurdo de senadores, deputados federais, deputados estaduais e vereadores por todo o país. Assim, o Brasil vai economizar muito, reduzindo a quantidade de assessores e mordomias de todo o tipo. E reduza também o mandato de senador, de oito para quatro anos. O presidente eleito tem que ter a consciência que vai governar para TODOS os brasileiros, não apenas para os adeptos de sua candidatura. Sejam quem for os eleitos, após o resultado, eu vou torcer muito para o seu sucesso. O sucesso do próximo presidente e do próximo governador, vai trazer benefício para todos, Então, que façam ótimos governos, é o que desejo! fr

sábado, 27 de outubro de 2018

Dica de livro: "Casa Velha"

Casa Velha, Machado de Assis, com introdução de Lúcia Miguel Pereira e ilustrações de Santa Rosa; Livraria Martins Editora, São Paulo, 1968, 202 páginas.
           
          Em “Casa Velha”, um padre relata o que lhe contou “um velho cônego da Capela Imperial” sobre uma estória ocorrida com ele em abril de 1839, então com apenas 32 anos, justamente o ano do nascimento de Machado de Assis. 
          
          Após ler “as Memórias que outro padre, Luís Gonçalves dos Santos, o Padre Perereca chamado, escreveu do tempo do rei”, o qual considerou “medíocre”, ele resolveu escrever um livro sobre o “reinado” de D. Pedro I. O autor usa este termo, apesar da historiografia preferir considerá-lo imperador, mesmo que um imperador sem um império propriamente. Em 1839, o Brasil estava sendo governado pela Regência Una de Pedro de Araújo Lima, após a renúncia de D. Pedro I, e por conta do filho, Pedro de Alcântara, ser ainda menor de idade.  
           
          O cônego, que não tem seu nome identificado no livro, passa a frequentar a casa de dona Antônia, viúva de um ministro, para pesquisar a biblioteca que ele deixou. E acaba envolvido em uma complicada relação entre Félix, o filho da viúva, e Cláudia, a “Lalau”, uma agregada da casa, de “não mais de dezessete anos” e que perdera os pais bem cedo. Dona Antônia não queria que os dois se casassem. Apesar de amar a moça, a quem educou, dizia que desejava alguém para o filho que estivesse à altura do nome da família, enfim, uma questão de orgulho.
 
“A casa, cujo lugar e direção não é preciso dizer, tinha entre o povo o nome de Casa Velha, e era-o realmente: datava dos fins do outro século. Era uma edificação sólida e vasta, gosto severo, nua de adornos. Eu, desde criança, conhecia-lhe a parte exterior, a grande varanda da frente, os dois portões enormes, um especial às pessoas da família e às visitas, e outro destinado ao serviço, às cargas que iam e vinham, às seges, ao gado que saía a pastar. Além dessas duas entradas, havia, do lado oposto, onde ficava a capela, um caminho que dava acesso às pessoas da vizinhança, que ali iam ouvir missa aos domingos, ou rezar a ladainha aos sábados.”

Com a convivência, o próprio cônego percebeu amar Lalau, mas sabia da impossibilidade de qualquer relação com ela. Procurou, então, se esforçar para ajudá-la: “impedido de a amar na terra, procurava ao menos fazê-la feliz com outro”. D. Antônia, no entanto, pediu a sua ajuda para afastá-los, dizendo que o amor entre os dois era impossível por eles serem irmãos. Lalau também seria filha do ex-ministro.
Atenção, a seguir vou escrever informações sobre o final do livro, então, quem não quiser saber antecipadamente, pare aqui!

O padre, então, passou a querer afastar os dois, contando-lhes o seu parentesco, o que lhes causa grande tristeza. Mas, ao revelar este segredo também à Dona Mafalda, tia de Lalau, com quem ela voltou a morar após saber dos laços familiares que a uniam a Félix, a parente desmentiu Dona Antônia. A verdade era que Lalau não era filha do ex-ministro, mas que este havia tido um outro filho com a mãe dela, que morreu prematuramente aos quatro meses de idade. Lalau já era nascida à essa época.
          O padre confrontou Dona Antônia, que lhe confessou ter mentido para separar o casal. Mas afirmou desconhecer a traição do marido e o nascimento e morte da criança, dizendo ter sido punida com a revelação. E que a punição deveria ser completa, passando a concordar com o casamento. Mesmo com tudo esclarecido e sem o impedimento ao casamento com Félix, Lalau, no entanto, não quis mais casar-se com ele. Alegou que continuava amando a mãe, mas “não poderia casar-me com o filho do mesmo homem que envergonhou minha família”.
O padre pediu que Lalau refletisse e mudasse sua decisão; a tia Mafalda, Dona Antônia e o próprio Félix também, mas ela não quis. E, mais tarde, acabou casando com Vitorino, filho de um “segeiro”, que consertava as carruagens da Casa Velha. E Félix casou-se com Sinhazinha, neta de uma baronesa amiga da mãe dele. O padre finalizou a estória: "Se ele e Lalau foram felizes, não sei; mas foram honestos, e basta".
            “Casa Velha” foi publicado em partes, de janeiro de 1885 a fevereiro de 1886, na revista feminina “A Estação”, do Rio de Janeiro. Porém somente saiu em livro muitos anos depois, em 1943, através da crítica literária Lúcia Miguel Pereira, quando Machado de Assis já não era mais vivo. A edição do livro que eu li, de 1968, tem uma extensa introdução de Lúcia Pereira. Segundo ela, o livro não é dos melhores de Machado de Assis:
            “Afirmar que não é das melhores obras de Machado de Assis não equivale a dizer que é de todo ruim. Ao contrário, o pior Machado ainda é superior a muito romancista que anda por aí reeditado e admirado; nada do que escreveu foi vulgar; em nenhum trabalho, por mais ligeiro que fosse, deixou de por a marca da sua finura, da sua sobriedade, da sua natural e comedida graça de espírito e de forma.”
           Lúcia Pereira acreditava que, apesar de ter sido publicado em uma revista já na fase realista, ou de maturidade do autor, entre 1885 e 1886, o texto pertence à sua fase romântica. O texto seria anterior a 1880, quando se iniciou a fase da maturidade, e deveria estar pronto e guardado, mas, como Machado de Assis tinha que apresentar algo para a revista anos depois, recorreu a ele.    
Após o final do livro, tem ainda o conto “Uma por outra”. Josino é um estudante de “matemáticas”, que morava em um pobre sótão na Rua da Misericórdia, que dava para o antigo Morro do Castelo, no Rio de Janeiro. Em uma ida ao teatro, ele se encantou com uma mulher no camarote, a quem nomeou de “Silvia”. E da janela do seu sótão, via em uma das casas do morro uma outra mulher, por quem se apaixonou, e deu o nome de “Pia”. Quando sua mãe morreu, viajou para a província para o enterro e para passar algum tempo com o pai. Quando retornou, conheceu um negociante e sua família no “vapor” que o trazia para a Corte, e se interessou pela filha, Estela.
           No Rio, ficou sabendo que o amigo Fernandes, a quem pediu que localizasse a “moça do Castelo”, iria casar com ela. Sem ressentimentos, disse que iria casar também, só faltava pedir a mão ao pai de Estela. Dias depois, acompanhando-a em um casamento, reconheceu a noiva como sendo a moça por quem se encantara no camarote do teatro, seu nome era Margarida. O pai de Estela, porém, resolveu fazer uma viagem de emergência para São Paulo, levando a família. Meses depois, Josino ficou sabendo que Estela casara-se com outro rapaz, em Sorocaba. Sem as mulheres que despertaram seu interesse, acabou, no entanto, encontrando alguém:
“Assim pois, uma por outra, vim trocando as mulheres possíveis e perdendo-as sucessivamente. Aquela com que afinal me casei é que não substituiu nenhuma Sílvia, Margarida ou Estela; é uma senhora do Crato, meiga e amiga, robusta apesar de magra, mãe de dois filhos que vou mandar para o Recife, um dia destes.” fr

sexta-feira, 26 de outubro de 2018

É preciso respeitar aqueles que lutaram pelo nosso direito ao voto

Adeptos da candidatura do PT tentam conseguir votos entre os indecisos


Passando, ontem, pela Praça 15, vi algumas pessoas simpatizantes da candidatura do PT oferecendo-se para conversar com aqueles que ainda estão indecisos em quem votar no domingo. E lendo na internet, vi que esta mobilização está sendo feita em outros pontos da cidade. Hoje, eu também vi uma moça abordando as pessoas na entrada do metrô do Largo da Carioca para conversar sobre a eleição. Vamos ver se esse esforço vai conseguir reverter a grande diferença que o candidato Jair Bolsonaro tem sobre o Haddad. fr

quinta-feira, 25 de outubro de 2018

Sensacional promoção de... um centavo!

Ontem, encontrei esta sensacional promoção no Carrefour: o quilo do abacate sendo vendido de R$ 4,99 por... R$ 4,98!!!! UM CENTAVO de desconto! O patrão ficou maluco! kkkkkkkk fr 
 

segunda-feira, 22 de outubro de 2018

Já é Natal no comércio carioca...

Hoje, dia 22 de outubro, fazendo compras no supermercado de um shopping carioca, vi os primeiros sinais de que o Natal começa a se aproximar, pelo menos no comércio. fr

domingo, 21 de outubro de 2018

Promoções de supermercado causam confusão e até morte

Todo ano é essa confusão por conta das promoções oferecidas no aniversário do supermercado Guanabara, com descontos de até 60%. Cenas de empurra-empurra, gritos, pessoas sendo pisoteadas e brigas. Este ano, um senhor de 61 anos morreu na sexta-feira passada, dia 19, após passar mal na unidade de Campo Grande, na zona Oeste da cidade. Ele chegou a ser levado pelo Corpo dos Bombeiros para o Hospital Rocha Faria, no bairro, mas não resistiu. Mesmo assim, com tumultos acontecendo todos os anos, tanto que os próprios funcionários se preparam com celulares para filmar a abertura das lojas, o supermercado insiste nessa estratégia. Será que os lucros que a rede obtém justificam os riscos de pessoas machucadas e, como ocorreu este ano, mortas? Assista ao vídeo abaixo da abertura de uma das lojas sexta-feira. fr
 

sábado, 20 de outubro de 2018

Ator Fred Gwynne fez série clássica de TV e filme de Stephen King

 
O ator Fred Gwynne (1926-1993), que interpretava o personagem Herman Monstro, na série de comédia p&b de TV “Os Monstros” da década de 1960, e reexibida atualmente pelo canal Rede Brasil, já participou de alguns filmes que eu vi. Eu me lembro dele no filme “Cemitério Maldito”, de 1989, já postado aqui no blog, em que ele foi o vizinho que conhecia a maldição do cemitério. A propósito, esse filme, adaptado do livro homônimo de Stephen King, terá uma refilmagem em 2019. E pesquisando na internet, fiquei sabendo que Fred Gwynne participou também de “Atração Fatal”, de 1988, mas eu não lembro bem do personagem que ele fez. fr

sexta-feira, 19 de outubro de 2018

Crânio de Luzia é resgatado dos escombros do Museu Nacional

Uma ótima notícia! O Museu Nacional comunicou hoje que o crânio de Luzia foi recuperado no meio dos escombros deixados pelo incêndio de 2 de setembro. Este é o fóssil humano mais antigo do continente americano, com 12 mil anos, e foi descoberto em 1974, na gruta da Lapa Vermelha, em Pedro Leopoldo, na região metropolitana de Belo Horizonte. De acordo com o Museu, o crânio foi encontrado em pedaços, mas poderá ser restaurado. A instituição, administrada pela UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro) aguarda, no entanto, a liberação de verba por parte do governo federal para a abertura do seu laboratório. Outros itens do acervo do Museu têm sido encontrados, e estão em fase de identificação. Na busca dos itens do museu, tem sido utilizado um drone, que sobrevoa a região para facilitar o resgate. fr

quinta-feira, 18 de outubro de 2018

As redes sociais estão cheias de anúncios ilegais, basta ir atrás

As redes sociais estão tomadas de anúncios vendendo de tudo, até mesmo produtos roubados ou ilegais, como dinheiro falso. Os anunciantes postam seus nomes, mesmo que falsos, e telefones, o que falta para a polícia identifica-los e prendê-los? E por que as redes sociais não impedem a postagem desses anúncios? E depois que são postados, por que não os denunciam à polícia? fr

quarta-feira, 17 de outubro de 2018

Presidente Temer é indiciado pela Polícia Federal

         A Polícia Federal indiciou, ontem, o presidente Michel Temer no inquérito sobre pagamento de propina no setor portuário. As investigações concluíram que o presidente e mais dez envolvidos, entre eles a sua filha, Maristela Temer, praticaram crimes de corrupção ativa, passiva, lavagem de dinheiro e organização criminosa. Quatro investigados, entre eles o coronel João Baptista Lima Filho, amigo do presidente, tiveram a prisão solicitada pelo delegado Cleyber Malta Lopes. Foi pedido, ainda, o bloqueio dos bens dos indiciados, inclusive de Temer.  
Em maio do ano passado, o presidente assinou decreto que favoreceria empresas do setor portuário, e pelo qual teria recebido propinas.  O relatório da Polícia Federal foi entregue ao ministro Luís Roberto Barroso, que será o relator no STF (Supremo Tribunal Federal). Agora, o documento será encaminhado ao MPF (Ministério Público Federal), que terá 15 dias para se pronunciar por meio de parecer no sentido de oferecer ou não denúncia contra o presidente. Caso isto ocorra, por ele ter foro privilegiado, o relator deverá encaminhar a denúncia ao presidente do STF, Dias Toffoli, que a remeterá à Câmara dos Deputados, onde seguirá para análise na Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania e no plenário.
Os deputados federais, então, podem dar o aval para abertura de ação penal contra o presidente pelo STF, ou decidir pelo seu arquivamento. Em 2017, Temer teve duas denúncias contra ele arquivadas na Câmara Federal. Com o fim de seu mandato, no próximo dia 31 de dezembro, ele passará a responder a quaisquer processos na Justiça comum, não tendo mais o foro privilegiado. É aguardar para ver no que vai dar. fr

terça-feira, 16 de outubro de 2018

Dica de livro: "O Caso dos Dez Negrinhos"

O Caso dos Dez Negrinhos, Agatha Christie, tradução de Leonel Vallandro, São Paulo, Abril Cultural, 1981, 202 páginas.
Li e gostei muito do livro. Dez pessoas que não se conhecem são convencidas a ir para uma mansão localizada na Ilha do Negro, recentemente vendida para um misterioso milionário. Algumas recebem um convite para se hospedarem no local imaginando ser de uma pessoa conhecida, a quem não veem há anos; outras são contratadas através de uma excelente proposta de trabalho. Todas têm em comum um acontecimento nebuloso em seu passado: um juiz aposentado; uma secretária, contratada para um serviço de férias; e um capitão, pago por uma semana de trabalho, no máximo. Além destes, uma senhora, de 65 anos; um general; um médico, contratado para examinar a esposa do proprietário; um ex-inspetor da Scotland Yard; um jovem playboy; e o casal contratado para atender aos convidados.
          Ao chegarem, são surpreendidos pela ausência dos anfitriões, e por uma mensagem gravada que acusa a todos de terem cometido crimes pelos quais não foram punidos. E o pior: seriam julgados naquela ilha. Isolados e sem terem como se comunicar com o continente ou sair do local, o medo e a desconfiança começam a dominá-los quando passam a ser mortos, um a um. A partir daí, todos são suspeitos e desconfiam uns dos outros, mas o verdadeiro assassino somente é revelado nas últimas páginas do livro. Uma das hóspedes encontrou em seu quarto uma estória infantil que lhe fez lembrar dos tempos de criança, mas que escondia, na realidade, uma antecipação trágica do que estava para acontecer:

“Dez negrinhos vão jantar enquanto não chove;
Um deles se engasgou e então ficaram nove.
Nove negrinhos sem dormir: não é biscoito!
Um deles cai no sono, e então ficaram oito.
Oito negrinhos vão a Devon de charrete:
Um não quis mais voltar, e então ficaram sete.
Sete negrinhos vão rachar lenha, mas eis
Que um deles se corta, e então ficaram seis.
Seis negrinhos de uma colmeia fazem brinco;
A um pica uma abelha, e então ficaram cinco.
Cinco negrinhos no foro, a tomar os ares;
Um ali foi julgado, e então ficaram dois pares.
Quatro negrinhos no mar; a um tragou de vez
O arenque defumado, e então ficaram três.
Três negrinhos passeando no Zoo. E depois?
O urso abraçou um, e então ficaram dois.
Dois negrinhos brincando ao sol, sem medo algum.
Um deles se queimou, e então ficou só um.
Um negrinho aqui está a sós, apenas um;
Ele então se enforcou, e não ficou nenhum."

O título do livro acabou sendo alterado nas edições mais recentes devido a críticas por conta de racismo. Ele pode ser encontrado também com o título “E Não Sobrou Nenhum”, péssima escolha, porque acaba induzindo os leitores para o final da estória. Esta obra de Agatha Christie tem sido adaptada para o cinema, TV e o teatro no mundo todo. Boa leitura!  fr

segunda-feira, 15 de outubro de 2018

Dica de livro: "Frankenstein"

Frankenstein / Uma História de Mary Shelley; contada por Ruy Castro; tradução de Ruy Castro. São Paulo, Companhia das Letras, 1994, 131 páginas.
 
Este mês, eu li um dos mais conhecidos clássicos do terror, “Frankenstein”. No final do livro, é informado que a autora o escreveu em 1816, quando tinha 19 anos, e publicado dois anos depois. A ideia de escrever um livro surgiu em uma noite de inverno nos Alpes suíços, quando a inglesa Mary Shelley (1797-1851); o marido, Percy Bysshe Shelley; e o amigo, Lord Byron, ambos poetas, estavam juntos. Byron propôs um pacto entre os três para que todos escrevessem um livro de terror; somente Mary o cumpriu. E o livro acabou por se tornar um sucesso mundial.

          Victor Frankenstein, suíço, estudante de química, biologia, anatomia e filosofia natural, 19 anos, vai estudar na Alemanha. Influenciado por um professor, que diz terem os cientistas poderes quase ilimitados, ele passa a se dedicar obstinadamente a criar um ser humano. “E o resultado seria glorioso: uma nova espécie de homens me abençoando como o seu Criador. (...) Devolveria a vida a mortos queridos, que se foram cedo demais, seria ‘o anjo da sua ressurreição’.” 

 
         Roubou corpos de cemitérios, e estudou o corpo humano, fazendo autópsias no necrotério da universidade, até descobrir como a vida é gerada e ser capaz de dar vida à matéria inanimada, de “transformar a morte em vida”. A fim de contornar a “extrema minúcia das partes do organismo”, decidiu construir (este é o termo usado no livro) uma criatura gigante, de 2,5 metros de altura, com todos os órgãos proporcionalmente grandes.
         Durante dois anos, isolou-se em sua casa, sozinho, afastando-se de sua família em Genebra. Em “uma noite chuvosa de novembro”, aproveitou-se dos raios e trovões para ter a eletricidade necessária para o seu experimento. O resultado, porém, foi horrível, pior do que podia prever. Sua criação era um ser horroroso, fétido, o que fez com que ele se arrependesse e o renegasse. Rejeitada, a criatura, inicialmente propensa ao bem e disposta a ser boa, decidiu vingar-se de seu criador, matando o seu irmão pequeno.

 Ao contrário de Adão, “criado à semelhança de Deus”, ela conscientizou-se de ter sido feita à semelhança de pedaços de corpos sem vida e do quanto era repulsiva e diferente dos seres humanos. Condenada à solidão, sem uma família que o aceitasse como é, e a ser repelida por todos, que a agrediam e a expulsavam sempre que a viam, pediu a Victor a criação de uma companheira, “com os mesmos defeitos e deformações” que as dela. E prometeu afastar-se com ela “para as selvas desabitadas da América do Sul” e nunca mais fazer o mau.

  Para proteger a sua família e ter paz, Victor aceitou dar à criatura a esposa que ele pediu, chegou a quase finalizá-la, mas, de última hora, destruiu a nova criação. Percebeu que estaria criando uma segunda criatura, com vontade própria, que poderia não aceitar o acordo feito com a primeira, e passar a matar e a espalhar o medo entre as pessoas. Enfurecido, o monstro prometeu vingar-se do seu criador, tirando dele o que ele não poderia ter, ou seja, uma companheira, estuprando e matando sua esposa em plena lua de mel.  Depois disso, criador e criatura acabam por marcar um encontro, decididos a finalizar uma relação de ódio e ressentimentos, do qual somente um deveria sobreviver. 
 
          O livro completou em 2018, 200 anos de seu lançamento e tem dado origem a uma série de adaptações para o cinema, teatro, quadrinhos e televisão no mundo inteiro. Algumas diferenças já popularizadas por essas adaptações do personagem do livro: 

          .  A criatura não recebeu nome; Frankenstein é o nome de família do criador;
 
. Ela é mostrada como um ser com dificuldade de falar e se locomover; porém no livro ela é dotada de inteligência e sentimentos; aprendeu a ler, a falar e a compreender, adquirindo conhecimentos;
 
. É forte e ágil, percorrendo grandes distâncias em pouco tempo, além de ser resistente ao frio e ao calor. fr

quinta-feira, 11 de outubro de 2018

Frases: Martin Luther King Jr.


"Aqueles que amam a paz precisam aprender a se organizar de maneira tão eficiente quanto aqueles que amam a guerra."
 
MARTIN LUTHER KING JR.

terça-feira, 9 de outubro de 2018

Plebiscito decide pelo fim das charretes em Petrópolis

           Domingo passado, junto com a eleição dos cargos executivos e legislativos, a população de Petrópolis participou de um plebiscito. E dos 170.781 votos válidos, 117.113 decidiram pelo fim da utilização da tração animal nas charretes, mais do que o dobro dos 53.668 que se disseram favoráveis. Houve, ainda, 8.155 votos ‘branco’ e 5.732 anulados.
 
           O plebiscito foi convocado pela Câmara dos Vereadores da cidade, atendendo a reivindicações de defensores dos direitos dos animais, que criticam a exploração e os maus tratos decorrentes do serviço de charretes, conhecidas como ‘vitórias’. Os defensores alegavam que a atividade é uma tradição de Petrópolis, e atrai muitos turistas.

A pergunta feita aos eleitores foi: “Você é a favor ou contra o uso de tração animal nos passeios turísticos realizados pelas charretes no município de Petrópolis?”. Havia duas opções: sim ou não. Agora, a Câmara Municipal deve publicar o Decreto Legislativo determinando o cumprimento da decisão pela prefeitura, que deverá regulamentar como o serviço será encerrado.
Eu acredito que, se é para acabar com a exploração dos animais sendo usados como tração, o plebiscito acabou ficando muito restrito, já que a pergunta se refere apenas a “passeios turísticos”. O plebiscito deveria ser muito mais amplo, propondo acabar com qualquer uso da tração animal, não apenas nesses passeios. Afinal, os animais também são usados para outras finalidades, como, por exemplo, transporte de carga.  fr

domingo, 7 de outubro de 2018

Hoje, o Brasil foi às urnas no 1º turno

          Hoje, dia 7 de outubro, o Brasil foi às urnas escolher os seus representantes. Em minha seção eleitoral, eu enfrentei uma pequena fila, coisa rara. Normalmente, tem no máximo três ou quatro pessoas à minha frente para votar. Mas já houve eleição em que teve até menos. Desta vez, eu fiquei em uma fila que ia pela escada do colégio onde eu voto, mas até que não demorou tanto, devo ter aguardado uns 15 minutos. Pelo que eu soube, houve lugares em que a demora foi muito maior, passando de duas ou três horas.
 
O atraso foi pelo fato de este ano ter iniciado na capital a identificação pela impressão digital do eleitor, o que foi uma novidade e causou atraso. Como ainda não é obrigatório na capital, eu não fiz o meu cadastro das digitais, votando com o meu título eleitoral e identidade. Em algumas zonas eleitorais também ocorreram outras situações que aumentaram o tempo de espera nas filas, como, por exemplo, problemas nas urnas ou o fato de o TRE ter agrupado algumas seções em uma única. Além disso, o primeiro turno teve eleições para vários cargos: presidente, governador, dois senadores, deputado federal e deputado estadual.
           Os resultados saíram rápido, e à noite o Brasil já sabia que a eleição para presidente será decidida no segundo turno, entre os candidatos Jair Bolsonaro (PSL) e Fernando Haddad (PT), mesmo ainda não tendo sido apuradas 100% das urnas. No estado do Rio de Janeiro, uma enorme surpresa. Contrariando as pesquisas de intenção de voto, que indicavam que Eduardo Paes (DEM) iria para o segundo turno, somente faltando decidir se contra o Romário (Podemos) ou o ex-juiz federal Wilson Witzel (PSC), houve uma reviravolta. Wilson Witzel ficou em primeiro lugar, com o dobro de votos do segundo colocado, o ex-prefeito Eduardo Paes; e Romário ficou apenas em quarto lugar, com menos de um milhão de votos. Isto só reforça que essas pesquisas acabam por interferir no voto de muita gente.
          Para o Senado, representando o Rio de Janeiro, os dois eleitos são ligados ao candidato Jair Bolsonaro, um deles o próprio filho, Flávio Bolsonaro. Para a Câmara dos Deputados, o outro filho, Eduardo Bolsonaro, em São Paulo tornou-se o deputado federal mais votado da história do Brasil. O candidato a presidente Jair Bolsonaro beneficiou muitos candidatos. E o partido dele, o PSL (Partido Social Liberal), foi o que mais cresceu no país e no Rio de Janeiro.
          Veja abaixo os números oficiais, divulgados pelo jornal ‘Gazeta do Povo’, de Curitiba. Amanhã, quando a apuração para presidente tiver sido concluída, eu publico o resultado final também para este cargo. Esta eleição foi marcada pelo voto direcionado a quem pudesse tirar o candidato que o eleitor não quer ver eleito, infelizmente. Pouco se prestou atenção às propostas, ou mesmo se os candidatos as tinham. O resultado de tudo isso nos aguarda nos próximos quatro anos, é aguardar para ver. fr